Páginas

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Devem igrejas opinar dessa forma?

Sei não...

Russian Orthodox leader back Putin's anointed successor

Moscow (ENI). Patriarch Alexei II and other leaders of the Russian Orthodox Church have voiced their support for President Vladimir Putin's anointing of First Deputy Prime Minister Dmitry Medvedev as his successor. They also approved of Medvedev's declaration that he would appoint Putin as prime minister after the scheduled 2 March presidential elections. With the backing of Putin and the United Russia party, which dominates Russian politics, Medvedev, aged 42, is expected to win by a wide margin. [418 words, ENI-07-0967]

Fonte: ENI

3 comentários:

Henrique disse...

Thomas,

Se você tem dúvidas sobre o posicionamento político da igreja, qual a sua posição sobre o fato desses papéis se misturarem, ou seja, líderes religiosos se tornarem também líderes políticos, com mandatos e partido político ? E o que você acha de teologias com algum substrato político (como a teologia da libertação) ?

Thomas H. Kang disse...

Não vejo problemas em tese de a igreja se manifestar quando há uma situação patentemente problemática. Imagine no caso da Alemanha Nazista, acredito que a igreja tinha o dever profético de se manifestar, pois era uma clara afronta à vida das pessoas. Infelizmente, as igrejas permaneceram caladas. Apenas alguns se posicionaram contra, como o teólogo Dietrich Bonhoeffer, morto pelo regime em 1944.

No entanto, quando a situação não é tão clara, não sei até que ponto as igrejas devem se manifestar. Talvez devam, mas eu realmente não sei. Entre FHC e Lula, por exemplo, não acho que faria sentido a igreja tomar uma posição oficial.

Discuto um pouco mais depois.

Gustavo Bonato disse...

Não, elas não devem.