Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2017

Não é Akerlof, é limão mesmo

Interesses privados contra objetivos públicos na educação

Em um livro clássico, David Plank (1996) afirma que a causa principal do atraso educacional brasileiro é que interesses privados se sobrepõem a objetivos públicos na educação. A afirmação parece fazer sentido com o que vivemos no dia-a-dia.

Por outro lado, Plank (1996) quer dizer com isso que, em outros lugares em que se deu a expansão educacional, os objetivos públicos ficaram a frente dos interesses privados na educação. Terá sido mesmo? É possível que autores estrangeiros idealizem a história da expansão educacional em seus próprios países.
Se tivermos em mente o que Douglass North, John Wallis e Barry Weingast escreveram em "Violence and Social Orders", podemos ter uma outra ideia acerca disso. Todas as mudanças em prol de cidadania vieram da extensão de privilégios das elites. Sob essa visão, o Estado sempre sofre de captura, mas em algum momento ocorre a transição para um arranjo que permite a extensão de privilégios.
Talvez a resposta esteja na transição e não na con…

Retórica e prática no gasto educacional

Em todos os períodos que tenho estudado a respeito do atraso educacional no Brasil, há um problema bastante recorrente: a distância entre a retórica do governo e as políticas efetivamente implementadas.

Há discursos do século XIX (Rui Barbosa, por exemplo), que já mostram claramente a consciência quanto ao atraso educacional do país. Já para Getúlio Vargas, a educação era algo que salvaria a nação. Até houve expansão da educação de 1930 em diante, mas longe de ser algo exemplar. Não tenho elogios também a fazer ao período democrático, em particular aos governos de Vargas (951-54) ou Kubistschek (1956-61), ainda que Dutra (1946-1951) e Goulart (1961-63) pareçam ter sido mais sensíveis ao problema do ensino primário. No regime militar, a reforma de 1971 procurava universalizar o primeiro grau e expandir o ensino técnico-profissional, conforme era aparentemente o plano do ministro Passarinho, mas não houve recursos para se efetuar as mudanças (goste ou não o freguês da ideia de um segun…