Pular para o conteúdo principal

Os complexos de economistas e cientistas políticos

Em um livro já não tão novo, datado de 1970, Albert Hirschman, um dos representantes do “Development Economics”, escreve algo interessante e até curioso acerca dos colegas da ciência política. Isso ainda é bastante atual para o Brasil, onde a influência da ciência política norte-americana vem chegando aos poucos. Não significa que eu seja contra a ciência política formalizada, inclusive pretendo usá-la. Reconheço, no entanto, que em alguns pontos Hirschman tem razão:

[...] eu espero demonstrar aos cientistas políticos a utilidade dos conceitos econômicos e aos economistas, a utilidade dos conceitos políticos. Essa reciprocidade tem estado em falta nos recentes trabalhos interdisciplinares, porquanto os economistas têm afirmado que conceitos desenvolvidos com o propósito de analisar fenômenos de escassez e alocação de recursos podem ser usados com sucesso para explicar fenômenos políticos diversos como poder, democracia e nacionalismo. Eles têm, dessa forma, conseguido ocupar vastas porções da disciplina vizinha, enquanto os cientistas políticos – cujo complexo de inferioridade em relação ao ferramental do economista só se compara ao complexo do economista em relação ao físico – têm se mostrado ansiosos em ser colonizados e freqüentemente aliam-se ativamente aos invasores. Talvez caiba a um economista reacender os sentimentos de identidade e orgulho entre os nossos oprimidos colegas e dar-lhes alguma confiança de que seus conceitos não têm apenas grandeur, mas também rayonnement? Eu gosto de pensar que isso poderia ser um subproduto do presente ensaio. (Hirschman, 1970, p. 20, tradução minha).

Não me parece que os cientistas políticos tenham ouvido muito Hirschman, mas felizmente, a invasão dos economistas no campo da ciência política têm recentemente gerado o resultado oposto também desejado por Hirschman: aos poucos, a política entra na economia, que tradicionalmente ignorava relações de poder, através dos trabalhos da Nova Economia Institucional de Doug North (Washington), e mais recentemente com Daron Acemoglu (MIT) e James Robinson (Harvard), por exemplo. Um pequeno contra-ataque que vem apenas a enriquecer.


Hirschman, A. O. (1970). Exit, Voice and Loyalty: Responses to Decline in Firms, Organizations and States. Cambridge: Harvard University Press.

Comentários

Opa, esse post me afeta diretamente!
Existe uma disputa (e um certo ranço) entre sociologia e ciência política, em parte justamente por causa dessa colonização que a economia está fazendo na ciência política. Das três humanas (ciência política, sociologia e antropologia), a primeira é a que mais está aberta a estudos quantitativos. Além disso, a teoria dos jogos entrou forte na ciência política. Essa influência não é de hoje. Um dos livros mais influentes desse movimento de apropriação do ferramental econômico pela ciência política é o "Uma teoria econômica da democracia", do Anthony Downs, de 1957.
Felizmente, para o bem da economia e da ciência política, essa relação entre as duas veio para ficar.
O resultado é gente com formação em economia como eu estudando ciência política e a NEI se expandindo.
Abraço!
Fernando Gonçalves disse…
Acho a integração entre as ciências fundamental para uma análise mais aprofundada dos fenômenos sociais..muito apropriado o post
Abraços.
Henrique disse…
Em primeiro lugar, parabéns pelo blog. Muito interessante o post. Sem dúvida, um dos movimentos mais interessantes em economia hoje em dia é, não só a invasão da economia na política, mas a política como tema e elemento explicativo na economia. Uma outra conseqüência disto é a aproximação da economia com a chamada nova sociologia econômica, uma vez que esta se utiliza das relações de poder, dos modelos cognitivos dos agentes e de redes sociais para explicar fenômenos na esfera econômica. Pouco a pouco, estes elementos estão sendo introduzidos na economia (os dois primeiros mais do que o último). Parece-me que, lentamente, a distância dentro das ciências sociais vai se estreitando. O que acha desta tese ?
Thomas H. Kang disse…
Henrique,

Não conheço bem a literatura da nova sociologia econômica, embora tenha o Ricardo Abramovay por aqui que trabalha com isso. No entanto, anda ocorrendo uma reaproximação desses campos através de suas correntes mainstream ao que aparece. Qualquer dica tua sobre a NSE é bem-vinda.

Agradeço aos elogios pelo blog.
manoelgm disse…
Thomas,
Achei muito bom o teu post.
Essa integraçao entre as ciencias sociais é fundamental.
A grande maioria de estudos inovadores está juntamente nessas áreas, nos pontos de intersecçao entre as disciplinas.
O grande distanciamento entre a economia e a ciência política fez mal às duas. Acho que a integraçao é um dos grandes desafios das ciências sociais no Brasil. Só caras como o Hirschman conseguiram trabalhar juntanto as duas. Os trabalhos de democratizaçao e reformas econômicas tentam levar as duas coisas em consideraçao.
Acho que Democracy and Development: Political Institutions and Material Well-Being in the World, 1950-1990 (Adam Przeworski, Michael Alvarez, José Antonio Cheibub and Fernando Limongi. Cambridge: Cambridge University Press, 2000)
é um dos melhores representantes dessa linha. Vale a pena dar uma olhada na base de dados que eles fizeram: http://www.ssc.upenn.edu/~cheibub/data/Default.htm
Parabéns pela qualidade do Blog!
Abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…