Pular para o conteúdo principal

Resposta ao Rabiscos: capital humano e educação

Stein e Berman têm escrito tem bons posts acerca do tema. Reconheço que sou culpado pelos desvios do assunto e, portanto, devo uma resposta ao Stein e à questão levantada por ele sobre capital humano. Meus últimos comentários tinham claramente intenções provocativas e espero não tê-los deixado exasperados.

No excelente post do Stein, ele afirma que capital humano e educação não são a mesma coisa. Concordo plenamente com ele. De fato, o conceito de capital humano é muito mais amplo do que as proxies usadas nas regressões e do que simplesmente "educação". Assim como Stein, acredito que educação deve ser defendida por ter importância instrínseca, assim como saúde, por exemplo.

No entanto, tentei utilizar o caráter instrumental da educação na argumentação. Embora Stein tenha refutado minha sugestão, o próprio texto indicado por Stein afirma que, na opinião de Xavier Sala-i-Martin, educação a nivel básico parece mostrar evidências significativas na relação com o crescimento de longo prazo. Novamente, o exemplo Brasil e Coréia ilustra a questão: é só observarmos a diferença entre um sistema ineficiente e caro de ensino superior público brasileiro e um sistema de ensino público básico de qualidade aos moldes coreanos. Evidentemente, outros fatores são relevantes para explicar o desempenho desses países: natureza das políticas do governo, desigualdade inicial, instituições e utilização do comércio internacional.

Entendo, como o Stein, que o mercado é importante para que a educação cumpra seu papel na economia. Por isso, defendo que empresas e centros de pesquisa acadêmicos aproximem-se, o que é visto com maus olhos em nosso estranho país. O exemplo da Argentina e do Uruguai mostram que educação não basta ao crescimento, pois eles têm economias muito mais frágeis que a brasileira. A educação tem que levar em conta o mercado, embora isso não signifique que conhecimentos não economicamente lucrativos tenham que ser ignorados. Se assim fosse, nos EUA não se estudaria antropologia. E, assim, argumento que educação não é mera proxy da riqueza. Se assim fosse, os níveis de educação brasileiros seriam maiores que de muitos outros países com povo amplamente educado e renda mais baixa que a nossa (vide de novo nossos vizinhos latino-americanos). Proxy é um termo usado na econometria que deve ser usado com cuidado. Não é possível estimar a riqueza de um país através de algum índice educacional, seria uma péssima proxy.

Reafirmando o que disse anteriormente, não trato educação como panacéia, como muitos parecem fazer. Entretanto, defendo a educação disseminada, em primeiro lugar, por ser um fim desejável em si mesmo - é uma expansão de liberdades substantivas do indíviduo pois permite equalização de oportunidades econômicas e a possibilidade de participação mais plena na sociedade. Mas além disso, educação tem um papel instrumental importante para crescimento. Para tanto, é evidente que a educação básica é a que melhor cumpre o papel, como mostram as evidências econométricas e a disseminação da educação pública básica nos países desenvolvidos.

Gostaria de agradecer pela aula de Böhm-Bawerk dada pelo Guilherme.

Comentários

Guilherme Stein disse…
Realmente, errei na parte da proxy. Era mais pra ser visto como um recurso de retórica e não uma "PROXY" .

Concordo com o que você escreveu. Aliás, a educação básica, na minha opinião, talvez seja uma das etapas mais importantes, pois é onde mais se aprende o "capital humano básico" não específico.

E obrigado pelos elogios, vindo de quem veio posso me sentir honrado!

Um Abraço, amigo Thomas

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…