Páginas

sexta-feira, 15 de junho de 2007

Prova de microeconomia

Após a terrível noite de quarta-feira, na qual o Grêmio ficou em séria desvantagem para o confronto final da Libertadores, tive uma prova de microeconomia na tarde de quinta-feira.

O professor da segunda parte da matéria, Fernando Botelho, PhD. por Princeton, aplicou uma prova que obrigava-nos a pensar. Foi a primeira prova desde o início do mestrado que realmente exigiu que pensássemos ao invés de meramente reproduzir proposições ou exercícios. Resultado: todos tivemos um resultado pífio na prova, o que não é um problema devido ao fato da nota ser relativa.

A matéria era utilidade esperada, equilíbrio parcial e equilíbrio geral. O interessante é que equilíbrio geral acaba se desdobrando em proposições de comércio internacional na versão 2x2 do modelo. Estudamos, por exemplo, o teorema da equalização de fatores, Stolper-Samuelson e Rybcszinski. Só faltou o famoso Hecksher-Ohlin pra completar os quatro pilares da teoria neoclássica do comércio internacional.

Os níveis de abstração nessa parte da matéria são muito altos, e prometem aumentar ainda mais, o que tornou o estudo bastante cansativo.

Apesar de tudo isso, foi uma boa experiência. Só me resta torcer para que o Grêmio alcance uma vitória de quatro gols (ou de três com direito a pênaltis) para se sagrar campeão da copa diante do Boca Juniors.

3 comentários:

Ricardo Agostini Martini disse...

Microeconomia de pós-graduação é de tirar o couro de qualquer um, mesmo. Minha prova de equilíbrio geral será a última prova desse semestre, no dia 4 de julho. Mas as provas anteriores, de teoria do consumidor e de escolha sob incerteza, já me incomodaram bastante.

liana disse...

4X0 vai ser difícil pro tricolor....

Gustavo Bonato disse...

Te dedica à economia que o Grêmio só vai te trazer desgosto! Ah, e amanhã tem GreNal!!!