Pular para o conteúdo principal

Livro sobre crescimento e distribuição

Hoje pela manhã, o ex-reitor da USP e professor da FEA, Jacques Marcovitch, lançou um livro por ele organizado. Embora seja um professor do departamento de Administração, o título do livro chama-se Crescimento Econômico e Distribuição de Renda e conta com a participação de vários economistas.

Os co-autores compareceram, à exceção de Márcio Pochmann. Todos eles falaram um pouco da sua parte do livro, mas o que mais me chamou atenção foi o que falaram Mirela de Carvalho e Ricardo Paes de Barros do IPEA. Na breve explanação deles, o capítulo que escreveram trata de uma proposta efetiva para diminuição maior da pobreza usando a base informacional bem-sucedida do Bolsa-Família. Os autores destacaram que o sucesso do Bolsa-Família no combate à pobreza e na melhora bastante efetiva que o coeficiente de Gini vem apresentando desde 2001, deve-se à base informacional, a qual de fato identifica os pobres. Antigamente, os mais pobres não eram identificados por não terem registro algum. Hoje, a Caixa Econômica Federal sabem quem são eles e consegue entregar os R$ 60,00 para as pessoas que realmente necessitam, embora haja, é claro, alguns pilantras que se aproveitam. Mas a grande maioria é de fato pobre.

A proposta dos autores é, portanto, utilizar essa base informacional para que, além de dar o peixe, ensine-se a pescar, como diz a expressão. Para que as familias não se tornem dependentes desses R$60, os autores disseram que oferecer também um pacote de oportunidades é a saída mais efetiva para essas famílias. Os diversos programas sociais do governo federal já existentes deveriam ser oferecidos junto com esse auxílio financeiro. Como são programas consolidados, não haveria aumento no gasto público e haveria uma focalização do gasto, tornando-o mais efetivo.

Não li o paper, estou apenas resumindo o que ouvi. Mas me pareceu um trabalho muito interessante. Um bom caminho para melhorar a situação distributiva que perversamente esteve abraçada à nossa sociedade desde a colonização.

Não vou deixar de mencionar que outros economistas como Troster, Maria Heleza Zockun e Seroa da Motta também ministraram boas palestras. Além disso, a arquiteta Márcia Westphal também mostrou um ótimo trabalho.

Comentários

suzie kang disse…
olá, brother-in-blood! heheh... Vim visitar seu blog! heheh...nao vou deixar nenhum comentario, apesar de ter lido o textinho, pq, como tu sabes, não entendo muito sobre fenomenos economicos e sociais, apesar de que me façam refletir...
prometo nao vir aqui encher o saco com baboseiras, já que parece um blog serio.... ehehe
bjos

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…