Pular para o conteúdo principal

Protecionismo: Debate na blogosfera

A conversa iniciada pelo Cristiano gerou debate na blogosfera. O Lucas da Economia Marginal resolveu então colocar uma série de links interessantes acerca do debate sobre protecionismo, motivado pelo Cristiano. Eu mesmo já havia escrito algo a respeito há pouco tempo, quando resolvi criticar alguns aspectos do livro "Chutando a escada". Eu tenho apenas algumas conclusões a respeito disso tudo:

  • Embora todos os resultados de livre comércio possam ser desafiados se colocarmos alguma hipótese de imperfeição de mercado, o fato é que muitas vezes mercados são de fato imperfeitos. Não é por outro motivo que Stiglitz (que ganhou o Nobel principalmente por seus escritos acerca de informação imperfeita) por vezes defende o protecionismo em alguns casos, como ocorre nesse livro. A literatura teórica em protecionismo encontra justificativas possíveis em transbordamentos, learning-by-doing e imperfeições no mercado de crédito (ver Feenstra e Taylor, cap. 9, ou qualquer livro atual de economia internacional). 


  • Proteger tem custos. Quem paga os custos? E o quanto da proteção que existe pode ser explicado por economia política? São questões importantes acerca dos custos da política (custos sempre há: podem ser maiores ou menores que os benefícios).

  • Adotar uma postura radicalmente contra o protecionismo ou contra o livre comércio em qualquer contexto não parece estar de acordo com a evidência empírica até hoje existente, embora evidentemente várias análises empíricas sejam limitadas. É claro que nem sempre nosso posicionamento deve defender o que foi encontrado na análise empírica (até por suas limitações), mas reconhecer que elas existem e refletir sobre isso é fundamental para o debate acadêmico construtivo.


Comentários

Anaximandros disse…
oi, essa foi a peça mais murista que já li por aqui, mas tem mais um argumento, em jogos, há sim o equilibro protege-protege, mas é sub-ótimo, ou seja, deve ser evitado a qualquer custo. Quanto aos mercados imperfeitos, a falha informacional aplica-se também ao regulador, então, não considero razoável centralizar uma decisão com problemas de transparência e informação para um ministro ou grupo no poder escolher os protegidos ou a proteger. O que fazer, então? Pensando no longo prazo e não no debate de conjuntura, eu optaria por criatividade e novas fórmulas e não cairia na tese da tsunami ou no maniqueísmo mercado versus estado. Lúcido e bem escrito, parabéns pelo post, abraço do s.
Thomas H. Kang disse…
Foi. Dessa vez foi porque eu realmente não tenho respostas categóricas a essa questão. O equilíbrio protege-protege é mencionado em trabalhos de história econômica de gente muito boa. Em particular, eu menciono Findlay e O'Rourke, Power and Plenty. E realmente, falhas de mercado existem, assim como falhas de governo. Difícil. Abs e obrigado pelos comentários.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…