Pular para o conteúdo principal

Banerjee e o papel do governo

Banerjee fala sobre o papel do mercado e do Estado no combate à pobreza - e há espaço para ambos (grifos meus):

But in the end, the government must remain at the center of anti-poverty policy, because without some help and resources from the outside the poor face an utterly unfair challenge. It does not need to do all the things it currently does (badly) and it should certainly focus more on paying for things rather than making them: Income support and strategically targeted subsidies to key delivery agents (NGOs, Microfinance Institutions, private firms) can go a long way in making the lives of the poor better, without involving the government in delivery. But we should not forget that a very important part of what the government does are things that the market will not—behavior change, preventive healthcare, education for those who live in  areas where there are no private schools, emergency relief, etc. Even in these cases, the government can work with implementing partners outside the government, as the example of BRAC in Bangladesh has shown, but realistically, the government will continue to be a major delivery agent in the economy. The challenge for those of us who are in what someone might call the ideas sector, is therefore to think of ways  of redesigning what the government does to make it work better both in terms of choosing between what it does and what it delegates, and in improving its effectiveness in what it must do.

Comentários

Anônimo disse…
Um comentarista de Kant observa: "Even an inclination to help others (...) is still an inclination. A person who helps others because she has an inclination to help other only helps other people because she wants to. She is guided by her desires. She does not help peolpe because she is required to, because she must do so." Outro ponto que não pode ser esquecido são os interesses dos grupos políticos que comandam e direcionam as decisões de governo.
Chutando a Lata disse…
É no sentido de se mudar comportamento que ponho minhas fichas para que, principalmente no Brasil, a pobreza tenha seus dias contados. A mentalidade casa Grande & Senzala é , ainda e em grande extensão, dominante. Nesse sentido, encaro a política do salário mínimo como essencial para se evitar o chamado trabalho escravo. Veja a legislação sobre as empregadas domésticas: é completamente fora do contexto da civilização ocidental. Veja o trabalho rotineiro como de seguranças ou porteiros: 8 horas, enquanto na Europa , no máximo, 5 horas e meia. Além disso, ao se impor um salário mínimo razoável, as empresas pequenas assumem o caráter familiar que é tão comum nos países europeus.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…