Pular para o conteúdo principal

Comentários: políticas sociais e quotas

1. Políticas sociais I. Acho que devemos dar uma olhada no blog do Mansueto hoje. Obrigado ao Thales por me passar a dica.


2. Políticas sociais II. Hoje na FEE, tivemos uma palestra com o Márcio Pochmann, Presidente do IPEA. Ele apresentou dados de um estudo sobre a situação social do Rio Grande do Sul, comentando o período 2001-2009. O estudo é bastante descritivo, mas vale a pena dar uma olhada para uma visão geral da situação. Alguns dos pesquisadores da casa chamaram atenção para questões importantes. A falta de dados em relação à gênero, a falta de maiores dados relacionados à saneamento (os únicos dados em relação à saneamento diziam respeito à água), alguns estranhos dados amostrais da PNAD com taxas de analfabetismo subindo significativamente de um ano para o outro, etc. É esperado que, em um estudo tão descritivo, surjam mais perguntas do que respostas. 


3. Ação afirmativa. Recentemente uma polêmica veio à tona com o vestibular da UFRGS. O relaxamento de alguns requerimento para aprovação por quotas permitiu que candidatos com pontuação muito baixa, inclusive em relação a anos anteriores, entrassem em cursos disputados como Medicina. No Facebook, vários compartilharam uma figura com a pontuação mínima dos quotistas com os dizeres "a meritocracia no lixo". Embora a discussão sobre quotas seja interminável, acho que é necessário discutirmos meritocracia antes de mais nada. Acredito que, se alguém é contrário às quotas, apelar a uma suposta "justiça meritocrática" seja a pior maneira de combater ações afirmativas. Recorrendo a quem seja talvez o maior filósofo político do século XX, John Rawls, parte do diferencial de pontuação no vestibular entre estudantes de famílias abastadas e estudantes negros de escolas públicas não se devem a mérito. A "loteria da vida", ao definir em que família uma pessoa nasce e com que recursos, dá maiores vantagens a alguns de forma arbitrária e não meritocrática. 

Com isso, não quero dizer que não houve suficiente esforço de estudantes que fizeram 750 pontos e não passaram (enquanto outros com 500 e alguma coisa passaram). É totalmente compreensível o sentimento de injustiça, até porque é impossível saber se as quotas nivelam o campo de jogo adequadamente para definirmos quem mereceu passsar ou não. O que estou dizendo é que não devemos julgar as quotas com princípios meritocráticos. A análise precisa ser mais consequencialista e ver se (1) as quotas não são paliativos desnecessários de curto prazo, (2) que vantagens as quotas proporcionam à sociedade (formação de uma elite negra, aumento de mobilidade social, incentivos), (3) que politicas de longo prazo, principalmente no que se refere à saúde e educação pública, estão sendo feitas (políticas de curto prazo podem desincentivar ações de longo prazo). 


Comentários

Anônimo disse…
Afinal, tu és contra ou a favor da referida ação afirmativa? E por quê? A referência ao nome do John Rawls parece fora de contexto. Pareceu mais argumento de autoridade do que fundamento para a tua ideia.
Thomas H. Kang disse…
Não é fora de contexto, na medida em que Rawls não defende uma sociedade baseada no mérito. Rawls reconhece que pessoas nascem em diferentes circunstâncias, por vezes arbitrárias, mas que a desigualdade deve ser permitida para não acabar com os incentivos individuais.

Quanto à ação afirmativa, acredito que as quotas são paliativos de curto prazo - mas que não deveriam ser raciais, somente aos egressos de escola pública. De qualquer maneira, a única solução real e não paliativa é melhorar a educação básica pública - mas isso, se ocorrer, só acontecerá no longo prazo.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…