Pular para o conteúdo principal

Reforma Luterana - Parte I: Graça

Em um país majoritariamente católico, poucos sabem que foi em 31 de outubro de 1517 que Lutero pregou suas famosas 95 teses na porta da catedral de Wittemberg. Menos pessoas sabem ainda do que se tratam essas teses e de suas conseqüências não apenas teológicas, como também na mudança que isso provocou na visão de mundo da época. Vou destacar dois pontos: um bastante teológico e outro que teve influências muito mais abrangentes.

Naquela época, a venda de indulgências, uma espécie de título que garantia o perdão de seus pecados quando comprados, estava disseminada. Pregava a Igreja da época que a salvação se dava por boas obras. Lutero, indignado com tal exploração, resgatou o papel da graça. Mas afinal, o que é graça?

Lutero quis deixar bem claro, assim como fizeram Paulo e Santo Agostinho, por exemplo, que nenhum de nós merece a salvação. Ninguém é bom o suficiente pra ir pro céu. Todos somos pecadores e, por mais que tentemos, não vamos conseguir ser bons. Sempre vamos escorregar em algum lugar. É por isso que, para Lutero, as boas obras não significam salvação - se significassem, nós poderíamos fazer um monte de caridade apenas por interesse próprio. Por isso que, para os luteranos, as obras são conseqüências da graça. Deus, de graça, sem que a gente mereça, concede pra nós a fé e o amor, que nos levam a fazer o que é certo (às vezes). Continuamos egoístas, interesseiros, tudo o mais - pecadores, resumindo. Mas Deus nos ajuda a vencermos nossa natureza.

Por isso, para a teologia luterana e reformada em geral, temos que ser humildes e reconhecer que sempre de novo erramos. A graça é parte fundamental do entendimento dos luteranos. Essa é a parte teológica - o legal foi que católicos romanos e luteranos concordaram em uma declaração conjunta que a graça é essencial.

Amanhã falo do sacerdócio geral de todos os crentes, que teve conseqüências sociais bastante interessantes.

Comentários

Carlos Alberto disse…
Talvez Lutero tenha sido o personagem mais importante na história da religião desde Jesus Nazareno, mas fica a dúvida; Até que ponto pode-se mitificá-lo, ou talvez o contrário? Não que vc esteja fazendo um ou outro, pelo menos eu não percebi isto. Mas esta é uma questão controversa, já que há alguns livros que enfatizam um chamado "massacre da revolta dos camponeses" dentre outras obras obscuras que visam claramente destimificar a figura de Lutero e outros que não o fazem.
Thomas H. Kang disse…
Carlos Alberto,

Acho que essa questão deve ser respondida por especialistas na área. Até onde sei, no entanto, Lutero estava estritamente preocupado com questões mais teológicas. No entanto, Lutero foi visitar os revoltosos e não viu nada ali que tivesse a ver com a sua reforma. Acabou assim fazendo declarações que deram justificativa a uma repressão violentíssima por parte da elite. Até que ponto Lutero tinha consciência disso eu não sei.

Não obstante esse debate ser controverso, acredito que, em muita coisa Lutero estava certo em tese. Mas eu sou luterano, então obviamente tenho meu viés.

Mas obrigado pelo seu comentário.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…