Pular para o conteúdo principal

Racionalidade econômica e suas limitações

Debate-se muito acerca do pressuposto de racionalidade que a economia neoclássica adota. O conceito de racionalidade econômica é bastante restrito e sofre críticas das mais diversas. As duas mais elaboradas são certamente as propostas por Herbert Simon e por Amartya Sen. De maneira alguma se desconsidera aqui os importantes resultados atingidos com os modelos baseados em escolha racional. De fato, a maioria dos modelos é muito útil. Contudo, certas situações necessitam outras abordagens.

Para deixar claro o que está se criticando, Sen trata das duas definições de racionalidade encontradas na economia. A primeira delas é a racionalidade como consistência. Por consistência, estamos falando da coerência interna das decisões tomadas pelos agentes. Um exemplo de consistência seria o pressuposto da transitividade, na qual dado que o agente prefere A a B e prefere B a C, logo ele tem que, por transitividade, preferir A a C. No entanto, essa idéia não faz nenhuma consideração aos objetivos: é possível ter escolhas perfeitamente consistentes indo em direção contrária aos objetivos. Se lembrarmos dos livros-textos de microeconomia, temos as hipóteses de preferências completas, transitivas e reflexivas.

A segunda definição é a da racionalidade como maximização de auto-interesse. Esse pressuposto não é testável. A mera possibilidade de que considerações éticas possam afetar o comportamento real dos agentes faz com que o assunto mereça atenção. Não se pode simplesmente tomar como dado que racionalidade é igual à maximização de auto-interesse: não há evidências empíricas em favor disso. Se o comportamento real pode ser condicionado por considerações éticas, a teoria econômica deveria considerá-la, mesmo pensando em termos pragmáticos. Pode-se estar perdendo parte das causas de determinados fenômenos.

Simon ainda fala na racionalidade de objetivo, ou a racionalidade substantiva, como definida por Simon. Para essa abordagem, a racionalidade garante que, dado um objetivo, o agente consegue calcular como atingir esse objetivo. Problemas cognitivos, no entanto, impedem os agentes de atingir eficientemente esses objetivos. É devido a isso que Simon defende a racionalidade procedimental ou aquilo que chamamos de racionalidade limitada. A Nova Economia Institucional, representada pelas correntes de North e Williamson, usa esse pressuposto, que é um enfraquecimento da racionalidade substantiva neoclássica.

Como dito por North, a abordagem neoclássica é muito útil para alguns modelos. Sen afirma de certa forma o mesmo. Para ambos, no entanto, necessitamos da flexibilização desses pressupostos para explicar alguns problemas econômicos como países de instituições ineficientes ou o ethos japonês e sua relação com o crescimento japonês, por exemplo. Talvez seja verdade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…