Pular para o conteúdo principal

Primeiro seminário acadêmico

Hoje tivemos nosso primeiro seminário acadêmico, após um churrasco que fizemos aproveitando que a aula de Macroeconomia acabou mais cedo. Embora alguns colegas tenham comido e bebido demasiadamente para assistir a um seminário, o professor da EPGE/FGV-RJ, economista do Unibanco e ex-secretário de política econômica do Ministério da Fazenda, o Dr. Marcos Lisboa, nos proporcionou uma excelente palestra.

O seminário tratava da contradição existente no trato de decisões individuais e decisões públicas. Por exemplo, enquanto alguns economistas acreditavam que a educação era irrelevante para o aumento do nível de renda, no plano privado, eles educavam seus filhos. A partir disso, Lisboa desenvolveu a idéia de que as evidências empíricas foram e são ainda pouco relevantes no debate acadêmico brasileiro, o que teria influenciado as escolhas feitas no Brasil em relação a políticas públicas, as quais ignoraram a educação. Exemplo interessante foi a da África do Sul, onde os médicos teimam em dizer que a AIDS não existe e que é uma invenção do imperialismo norte-americano. A discussão na área médica da África do Sul é um diálogo de surdos, assim como fazem os heterodoxos braslileiros, os quais ignoram os dados, o empírico, não os examinando criticamente. Ao contrário, insistem dogmaticamente nos pontos que defendem: eles não testam, refutando preconceituosamente teses diferentes e não utilizando um método rigoroso. Por exemplo, quando falam de controle de capitais, os heterodoxos focam em casos particulares e nem ao menos definem o conceito de "controle de capitais".

Ele deu inúmeros exemplos e excelente fundamentação para sua tese, fazendo uma crítica bastante forte à heterodoxia, a qual só existe para criticar, ao invés de ter, no sentido lakatosiano, um programa de pesquisa. Por trás de sua visão, está uma visão chamada de hard science, que não dá grande importância ao passado. Assim, criticou a heterodoxia devido à sua visão soft science, a qual se trata apenas de um diálogo com o passado, pouco produtivo para a criação de um programa de pesquisa. O novo é desfavorecido, contrariando todo o projeto iluminista, que na visão de Lisboa, foi o responsável pelo aumento explosivo da riqueza. A economia neoclássica segue esse caminho, enquanto a heterodoxia existe apenas em função da ortodoxia. Essas foram as opiniões de Marcos Lisboa.

O primeiro seminário foi muito estimulante, com a participação de alguns professores e com boa presença de público. Após, tivemos um lanchinho no salão e o Lisboa continuou debatendo com os alunos. Foi bastante interessante e instigante. Continuando assim, teremos um excelente ano por aqui.

P.S.: Para ter familiaridade com os conceitos de hard e soft science, ver o clássico artigo de Pérsio Arida (1983), "A História do Pensamento Econômico como Teoria e Retórica, o qual foi publicado por exemplo em Rego, J. M. (1996). Retórica na Economia. Ed. 34. e Rego, J.M. (2004). A História do Pensamento como Teoria e Retórica, Ed. 34.

Comentários

Anônimo disse…
Hehehehehehe
Boa piada!!! Boa piada!!!
Esse Lisboa é um bom piadinsta também.....

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…