Pular para o conteúdo principal

Complexidade: o fim da teoria neoclássica?

O título é pra ser lido com ceticismo. Também sou cético em relação a isso, mas foi mais ou menos isso o que afirmou o prof. Dr. Eleutério Prado em seminário do Complex, o grupo de pesquisa que estuda complexidade na USP.

Com base num texto escrito por ele analisando complexidade em Hayek e Marx, Prado disse haver problemas para se alcançar alguns equilíbrios matematicamente, o que significaria uma limitação à teoria neoclássica. Além disso, Prado falou de limitações da lógica aristotélica, citando o teorema de Godel. que, segundo ele, expõe contradições mesmo usando o arcabouço lógico formal.

Mas afinal, o que é complexidade? É uma visão de ciência diferente do reducionismo científico, paradigma atual. O fenômeno deve ser visto como um todo complexo, e não apenas as partes: as interações devem ser consideradas. Tem muito a ver com a biologia e as idéias evolucionistas. Na economia, visa superar os modelos físicos e mecânicos baseados no equilíbrio.

O que Hayek teria a ver com isso? Marx é óbvio. Mas e Hayek? Tire suas conclusões aqui. Eu não sei...

Comentários

Guilherme Stein disse…
Na realidade, acredito que Hayek é muito mais evolucionista do que Marx.

Hayek não acredita na existência de nenhum tipo de "equilíbrio" no mercado, mas sim acreditava no mercado com um processo de descobertas e de uso do "conhecimento". Se você ler "The Use of Knoledge in Society" e "The Meanig of Competition", você verá o que eu estou querendo dizer. Aliás, este último é, na minha opinião, uma boa crítica do modelo de concorrência perfeita.

Em "The use of Knoledge of society" ele começa falando:

"What is the problem we wish to solve when we try to construct a rational economic order? (...) If we posses all the relevant information, if we can start out from a given system of preferences, and if we command complete knowledge of available means, the problem which remains is purely one of logic. That is, the answer to the question of what is the best use of the available means is implicit in our assumptions.
(...)
This, however, is emphatically not the economic problem which society faces. And the economic calculus which we have developed to solve this logical problem, though an important spet toward the solution of the economic problem of society, does not yet provide and answer to it. The reason for this is that the "data" from which the economic calculus starts are never for the whole society "given" to a single mind which could work out the implications and can never be so given".

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…