Pular para o conteúdo principal

Equação de Slutsky em uma linha

Não é preciso escrever muito pra publicar na American Economic Review. Philip J. Cook que o diga. Em 1972, ele escreveu um paper, cuja referência está abaixo:

Cook, Philip J. A "One Line" Proof of the Slutsky Equation. The American Economic Review, Vol. 62, No.1/2 (1972), p. 139.

Infelizmente não tenho o link. Se ficarem curiosos, procurem no JSTOR (se estiverem nas suas faculdades) ou na biblioteca mesmo. Caso façam isso, comparem a prova do Cook com a do Samuelson (Foundations of Economic Analysis), o livro texto da geração de nossos pais.

É, é uma página mesmo, a 139. Tô com ela na minha frente. Nosso professor de micro (o Danilo) dá um texto por semana pra nós pra que o Mas-Collel não tome conta de toda a nossa mente.

Pra quem não sabe: Equação de Slutsky é fundamental na teoria microeconômica. Ela separa os efeitos causados pela reação do consumidor a uma variação no preço de um bem (ex: limões) em duas partes: um efeito devido à substituição de um bem por outro(s) causado pela mudança nos preços relativos (ex: antes o preço da laranja era duas vezes o preço do limão. Agora é três. Portanto, comprarei mais limões e menos laranjas) e outro causado porque você agora pode comprar mais ou menos bens: sua renda real mudou (ex: antes eu comprava oito limões com minha renda, agora compro dez). Pra isso, temos uma equação que soma os dois efeitos para chegar a variação total da demanda em relação a variação de preços.

Comentários

Guilherme Stein disse…
wow! tava aqui no Nape e fui lá na biblioteca tentar achar... É uma página mesmo! Na real, meia página... ainda to tentando entender mas que é divertido isso é! hehehe!

Abraço amigo Thomas
Hum... muito interessante! Isso me dá alguma inspiração para começar a escrever meus próprios artigos.

Abraço
Diego Brandao disse…
Mas os artigos de economia matematica tendem a ser pequenos. E realmente algumas provas sao exageradamente grandes e insuportaveis...

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…