Pular para o conteúdo principal

Auto-interesse e individualismo metodológico

Quem tiver acesso ao jornal Valor, conferir na edição de hoje a coluna de Ricardo Abramovay sobre o livro "The Idea of Justice" de Amartya Sen.

Temos discutido até que ponto reconhecer motivações além do auto-interesse (por exemplo, simpatia ou compromisso - as clássicas categorias do artigo de 1977 de Sen, "Rational Fools" da Philosophy and Public Affairs) realmente significam afastamento de individualismo metodológico, como o próprio autor parece defender em seu livro.

Lembro que um defensor do individualismo metodológico, Max Weber, costumava colocar entre as motivações da ação humana não apenas a categoria zweckrational (racionalidade instrumental), como também a categoria wertrational (racional de valor). Compromissos éticos poderiam entrar nessa categoria.

No final das contas, qual a relação entre auto-interesse e individualismo metodológico? Eu acreditava que eram coisas distintas. Agora estou na dúvida.

Comentários

o tchê Thomas:
pelo Aurelião, interesse é "sentimento de zelo, simpatia, preocupação ou curiosidade por alguém ou alguma coisa" e método é "caminho pelo qual se atinge um objetivo", posso ser auto-interessado e nunca buscar explicações para fenômenos individuais ou sociais. e posso buscá-las mesmo sendo autruista.
DdAB
henrique disse…
Confesso que vim para o seu blog justamente para te perguntar isso: a posição de Sen é mesmo de crítica ao individualismo metodológico? O que o prof. Abramovay atribui como uma violação desse princípio é simplesmente o fato de que as preferências dos indivíduos não se restrinja apenas ao seu próprio interesse. Isso, para mim, nem de longe se parece com uma violação do individualismo metodológico (nem me parece ser um problemqa para teoria micro tradicional). O que achas?

Dejanir Henrique
Thomas H. Kang disse…
Pois é, Duílio, eu concordava até discutir com o Abramovay e ficar na dúvida.

Dejanir: de fato não me parece. Aqui vai o trecho de Sen em que ele parece dizer que não esposa o individualismo metodológico (The Idea of Justice, p. 245):

"The presence of individuals who think, choose and act - a manifest reality in the world - does not make an approach methodologically individualist. It is the illegitimate invoking of any presumption of independence of the thoughts and actions of persons form the society around them that would bring the feared beast into the room".

Não sei em quem Sen está se baseando na sua definição de individualismo metodológico. Se levar em conta a sociedade em volta é contrariar o individualismo metodológico, talvez o prof. Abramovay tenha um pono. De qualquer forma, isso não parece, na minha opinião, coerente com as ideias originais de Weber a respeito do tema.

Sen indica a seguinte bibliografia: Steven Lukes, [i]Individualism[\i] (Oxford: Blackwell, 1973) e "Methodological Individualism Reconsidered", [i]British Journal of Sociology[/i], 19 (1968).

Minha opinião ainda estaria de acordo com a do Dejanir, pelo menos até agora.

O problema de Sen com a micro tradicional parece derivar-se menos do individualismo metodológico, mas ao foco exclusivo nas utilidades. Mas isso é outro papo - e mais relacionado a economia do bem-estar.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…