Pular para o conteúdo principal

Pérolas de Econometria

Alguns semestres depois, preservando a identidade dos alunos de Econometria I da graduação da FEA-USP, o ex-monitor pode revelar algumas das preciosidades encontradas em provas. Lembrando que estamos falando de um dos melhores cursos de Economia do país...

Os erros gramaticais e ortográficos foram mantidos.

Sobre a Econometria:

  • "É uma ciência que beira a arte em que os grandes econometristas se destacam exatamente por esse importantíssimo toque de subjetividade"

  • "Se a análise de uma regressão for irrelevante, portanto o estudo da econometria será irrelevante, o que é obviamente um absurdo, se fosse assim não precisaríamos aprendê-la".

  • "Esperamos que a variância da amostra seja a menor possível, pois quanto menor mais eficiente (mais se assemelha à realidade)". [hein?]

  • "Podemos também testar se certos parâmetros são idênticos a outra ou nulos e se certos palpites como o do gerente da cadeia de hambúrgueres gasta com propaganda e preço são válidas" [ok, só não entendi o pq disso na prova].

  • "A afirmativa não está inteiramente certa [...]. A análise de regressão não diz nada sobre a população" [então tá, né, por que veio fazer a prova?]

  • "Caso a análise seja feita baseada em dados fictícios, esta continua tendo relevância pois o objetivo principal da análise de regressão... [...] o acesso à populacão implicará em uma maior ou menor precisão do resultado final da análise".

  • "Em uma regressão múltipla, quanto maior a correlação entre as variáveis e menor a covariância entre elas, melhor sera a estimação do modelo" [tsc, tsc]

  • E pra terminar: "O fato de não ter acesso à população apenas exclui estatisticamente a possibilidade da conclusão ser 100% verdadeira. Isso faz da análise de regressão algo desprovido de relevância? Óbvio que não. Abrindo o horizonte da discussão, o que na vida é 100% verdadeir ou 100% aceito? Não muita coisa, se é que existe algo que seja. Isso é, afirmar que a análise de regressão é desprovido de relevância. Essa discussão poderia se extender [com x?] muito mas acho que podemos resumir em 'a relevância está naquele que julga relevante', e de minha parte, eu acredito que a análise de regressão seja relevante".

Esse último é gênio.

Tudo copiado por mim das provas. Eu mesmo, Thomas Kang, coletei essas pérolas.

Comentários

Diego Maciel disse…
Caracas!!!
E eu que pensei que isso não ezistia (com z mesmo) na usp...
Onde fiz (particular no Maranhão) até que vai, mas... na FEA?

heheheheh

Essa dá pra mandar para o Jô!
Guilherme disse…
Boa Kangao!!!! pena que isso não apareceu nas minhas turmas senao eu te mandava umas novas!
Meu Deus!

Quero saber dos professores de econometria aqui da FEARP-USP o que eles têm que ler nas avaliações.

Deve ser bem parecido, se não for pior.

Abraço,
Gustavo Cortes.
Grande Kang!

O último é gênio e este abaixo é um assombro no encadeamento de seu argumento. Um lógico por excelência!

"Se a análise de uma regressão for irrelevante, portanto o estudo da econometria será irrelevante, o que é obviamente um absurdo, se fosse assim não precisaríamos aprendê-la".

Abraços!

P.S: Espero que a USP não venha a fornecer nenhum ministro da fazenda nessas condições no futuro... Todavia, aprendi a não duvidar de nada! ;)
Anônimo disse…
Sinal que o monitor além de arrogante é uma ruim!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…