Pular para o conteúdo principal

Suecos

Conheci uma sueca, doutoranda em ciência politica, quando estava em New York por ocasião da Conferência da Human Development and Capability Association. Disse ela que na Suécia, um politico que pegasse um táxi usando dinheiro público poderia gerar manchetes nos jornais, uma vez que ele deveria ter pegado um ônibus. Apesar do clima inóspito, suecos são ricos e considerados um dos povos mais igualitários entre as democracias. A qualidade de vida deles é atestada pelos resultados do IDH, onde estão sempre entre os primeiros.

Suecos e noruegueses costumam ser muito educados, pelo menos os que conheci. Certamente, minha amiga Sibeli que está lá trabalhando por três meses com a Igreja (Luterana) da Suécia poderá nos falar mais sobre o país em breve. De qualquer forma, as instituições e a performance esconômica escandinavas, invejadas por muitos, tem origens no passado. Esses países estavam longe da prosperidade no começo do século 20. Algumas coisas aconteceram desde então, e após a II Guerra, algumas medidas macroeconômicas tornaram-se importantes.

******

Gösta Rehn e Rudolf Meidner eram economistas de sindicatos na Suécia. Esses dois caras, pouco conhecidos por aí, foram responsáveis por delinear as medidas macroeconômicas que nortearam a economia sueca pouco tempo depois da II Guerra.

Sua política consistia basicamente no seguinte: uma política fiscal rígida e uma política salarial solidária, tentando combinar estabilidade de preços e pleno emprego. Segundo comentários que ouvi, as empresas tiveram que pagar salários altos a seus empregados, ao mesmo tempo em que eram expostas a concorrência internacional, uma vez que precisavam exportar seus produtos, dada a pequena extensão do mercado nacional. Impedidos de baixar salários, as firmas ganharam em eficiência. O Estado entrava ativamente através de proteção social para o desemprego que naturalmente poderia ocorrer com os altos salários e a quebra das empresas ineficientes.

Nunca ouvira claramente a respeito e, provavelmente, é algo que merece ser estudado. Os países escandinavos são sempre alardeados por sua igualdade política e opulência econômica também eqüitativamente distribuída. É claro que há exageros, mas sem dúvida os paises escandinavos conseguiram resultados invejáveis para a maioria das nações, apesar da carga tributária elevada (alguns leitores desse blog devem achar a Suécia um horror devido a suposta imoralidade de sua tributação).

No entanto, estranhamente, poucos no Brasil ouvem falar em Rehn e Meidner. Algo que merece alguma atenção, mesmo que seja para depois criticarmos a idéia. Afinal, será que podemos dizer que o sucesso sueco ocorreu apesar das medidas econômicas dos social-democratas?

Comentários

Philipe Berman disse…
Oi, Kang! Legal o post! Mas me diga uma coisa, será que esse esquema de manter um piso salarial realmente aumenta a eficiência das empresas? Se isso fosse verdade, então bastaria o Lula aumentar o salário mínimo pra 2.000 reais que as empresas se veriam forçadas a se tornarem mais eficientes, certo?
Abraço!
Thomas H. Kang disse…
Ph,

De fato, eu só postei isso aqui pois fiquei curioso e talvez merecesse ser estudado. A coisa não é tão simples assim acredito eu. Talvez só valha dentro de certas condições institucionais. Assim que tiver mais informações, posto aqui.
Pelo que li no post (muito bom, por sinal), a política restringia baixas nos salários, e não impunha um piso salarial. Isso não acontece só na Suécia, e inclusive é um dos pressupostos da macroeconomia keynesiana, não é?

Além disso, acho q o fator principal para o desenvolvimento dos países escandinavos é o capital humano. As políticas salariais deveriam estar refletindo a qualidade da oferta da força de trabalho.

Abs.
Thomas H. Kang disse…
Bom, Ricardo. Na verdade não sei. Mandaram-me uns papers sobre isso e talvez fale sobre eles em breve. E eu nada sei de macroeconomia keynesiana excetuando animal spirits e eficiência marginal do capital.

Quanto ao capital humano, interessante mesmo - pode ser!. Lamento pela meu pouco conhecimento. Sou tão neófito no assunto quanto vocês.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…