Pular para o conteúdo principal

Por que os ingleses bebem cerveja?

Essa é uma das fundamentais perguntas que John Nye, historiador econômico da George Mason University, tentou responder na sexta-feira em sua palestra sobre seu novo livro "War, Wine and Taxes". O livro trata sobre os conflitos e as políticas comerciais de Inglaterra e França. Desafiando o que sempre se diz, Nye percebeu que a política britânica foi bem mais protecionista do que a francesa, o que explica porque ingleses bebem cerveja e não vinho.

A palestra foi muito boa (uma das raras vezes que temos bons seminários), uma vez que Nye tem um bom senso de humor, além de explicar de forma clara e audível. E é claro, pelo assunto ser interessantíssimo. Isso não significa que todas suas conclusões estejam certas, mas deu vontade de ler o livro.

Como conclusão, Nye sustentou que a Inglaterra cresceu apesar das restrições ao livre comércio. No entanto, isso não pareceu derivar logicamente de sua argumentação. Talvez o livro possa esclarecer um pouco disso.

Comentários

Então quer dizer que os ingleses bebem cerveja devido só ao protecionismo comercial?

Esse mundo está precisando de mais poesia...
Mas os ingleses não compravam Vinho do Porto, de Portugal, a uma tarifa zero de importação?

Meio estranho isso.

Ah, e o trabalho não teve uma "análise empírica" refinada, com direito à degustação?
Thomas H. Kang disse…
Sim, o Nye comentou sobre o tratado de Methuen. Aliás, ele disse que o exemplo ricardiano de vinhos e tecidos era péssimo, uma vez que Portugal era praticamente uma colônia da Inglaterra. Em geral, as vinícolas de Porto eram de ingleses.

De qualquer forma, isso não parece ter sido tão significativo pelo jeito. Sei lá, tem que ler o livro. Enfim, a proteção efetivamente teria ajudado a cerveja, uma vez que o vinho barato é que foi expulso do mercado. Algo assim. Mas não sei se ele tem razão. Essa é a tese do cara...
Joel Pinheiro disse…
Bom, ao menos a cerveja inglesa é muito boa! E, de fato, a Inglaterra era protecionista; creio, no entanto, que internamente, era bem mais liberal que a França, não é mesmo?
Logo, conclusão: Nem tudo que se produz sob protecionismo é ruim.

Abraço.
Thomas H. Kang disse…
Heuheuaheuae, acho que o Joel não vai concordar muito com o que o Diego disse, hehe.

Bem, de fato, Joel, a França tinha taxas dentro do país, enquanto a Inglaterra tinha abolido as taxas no seu mercado interno, salvo engano.
Joel Pinheiro disse…
Se não me engano, para exercer qualquer função na França era necessário uma permissão da Coroa. Claro que o sistema era cheio de corrupções, mas ainda assim era um custo considerável.

Diego: nem tudo o que se produz sob protecionismo é ruim, concordo plenamente. Mas o custo do protecionismo, para a sociedade, é superior ao benefício que ele gera.

Sem falar que, apesar de possível, é muito improvável que o que se produz sob protecionismo seja bom (algum nível de bondade terá, é claro: os computadores brasileiros, por piores que fossem, funcionavam, podiam ser usados para satisfazer alguma necessidade humana).

Se os produtores de bebida inglesa tivessem que competir com bebidas importadas, teriam que melhorar a qualidade de seu produto. Ou seja, quem sabe, a qualidade da cerveja inglesa seria AINDA MELHOR.

Mas sim, claro: o protecionismo, apesar de sempre ruim, não aniquila a economia ou a produção de bens; coisas boas continuam a ser produzidas, APESAR do protecionismo.
Eu estava sendo irônico... O Thomas e o Ricardo, que me conhecem, devem ter percebido.

Foi para provocar... E consegui, pelo jeito!
Thomas H. Kang disse…
Hehe, Diego, entendi sim que era piada. Mas não saberia dizer qual sua posição acerca de protecionismo.
Sem perguntas íntimas, Thomas...
Joel Pinheiro disse…
Hah, nada me é mais provocante que um discordância econômica!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…