Pular para o conteúdo principal

Resposta ao Joel: Ecumenismo

Recentemente, muitas pessoas questionam-me acerca da relevância do movimento ecumênico e, particularmente, do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). Em recente comentário, Joel Pinheiro perguntou-me o que de concreto teria conquistado o movimento. Acredito que o movimento ecumênico é relevante independentemente de seus resultados “concretos”. Utilitarismo não é uma boa ética para julgá-lo, acredito eu.

O ecumenismo é relevante por tentar afirmar que todos os cristãos têm sua fé fundamentada em Jesus, considerado o Filho de Deus. Se temos essa característica em comum, é importante que esforços sejam feitos pela preservação de algum tipo de unidade apesar das diferenças teológicas. Se existe algo de concreto a respeito disso, temos a busca por um entendimento mútuo e o fato do CMI ter até conseguido editar um livro sobre “A Natureza e a Missão da Igreja”, aprovado por teólogos representando diversas tradições cristãs. Ainda hoje, diferenças impedem os cristãos de praticar a Eucaristia conjunta, problema que certamente devemos tentar superar. Essas justificativas teológicas são suficientes para que defendamos o ecumenismo, na minha opinião, apesar dos problemas que temos.

Não obstante o seu valor intrínseco, acredito que o CMI consegue, por congregar muitas igrejas, ter uma voz relativamente relevante. A Comissão de Assuntos Internacionais do CMI tem cadeira no ECOSOC. Talvez sejamos pouco ouvidos, mas ainda assim, estamos fazendo a nossa parte: a Igreja também tem que ter caráter profético. Inúmeros documentos publicados pelo CMI mostram o que vários setores do Cristianismo pensam. Acredito que esse é um espaço importante a ser mantido.

Infelizmente, o movimento ecumênico no Brasil é fraco e principalmente defendido por setores ligados à teologia da libertação. Assim, o ecumenismo é mal-entendido porque parece apenas contemplar um setor – não significa que estou desprestigiando a teologia da libertação, embora de fato não seja um adepto. No mundo, o movimento ecumênico tende a ser mais plural: é verdade que existe uma forte tendência teológica progressista que, apesar de defender importantes pontos como tolerância, tende a contribuir pouco em questões como missão. No entanto, temos também pentecostais, bem mais conservadores – o que também pode não ser positivo – e ortodoxos, os quais não tem em sua história grande influência do Iluminismo, ao contrário dos protestantes históricos. Portanto, acreditar que ecumenismo é ruim por seu caráter pouco plural não faz muito sentido.

Ecumenismo não é o mais importante, mas é crucial. No entanto, não podemos esquecer de outros aspectos. Evidentemente, missão e diaconia não podem ser ignoradas, mas isso não é contrário ao ecumenismo. Tudo isso pode ser alcançado conjuntamente. Ecumenismo em parte reflete o aprendizado com as inúmeras ridículas e pouco cristãs guerras entre cristãos e mesmo entre religiões. Em regiões de conflito como África ou Oriente Médio, o que as igrejas podem fazer conjuntamente para aliviar o problema? São em questões como essas que concretamente o movimento ecumênico pode fazer diferença.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…