Pular para o conteúdo principal

Caplan e a armadilha das idéias

O prof. Cláudio do De Gustibus sugeriu que os blogs se manifestassem em relação às idéias de Bryan Caplan, começando com Idea Trap. Confesso que nunca lera Caplan antes, então, julgo que meus comentários a respeito do texto serão bastante superficiais, caso não sejam equivocados.

A tese fundamental do texto é de que existe uma armadilha das idéias: uma espécie de círculo vicioso (até me lembrou Myrdal). Baixo crescimento, péssimas políticas e idéias ruins estão, para Caplan, altamente relacionados. Idéias ruins geralmente aparecem em contextos ruins, crises por exemplo, que impedem as pessoas de pensar racionalmente. Obviamente, aprofunda-se o problema.

A impressão que tive do texto é que ele se concentra muito em exemplos relacionados ao comunismo. Seria mais ilustrativo e um pouco menos anacrônico se ele focasse mais em políticas intervencionistas em um sistema capitalista. Embora sejam idéias muito antigas também, criticar as teses Keynesianas seria muito mais relevante. Afinal, foi a Grande Depressão causada por políticas ruins que levaram a intervenção, outra péssima idéia? Este é apenas um exemplo. Evidentemente, exemplos mais contemporâneos seriam bem mais interessantes.

Destacar a armadilha das idéias comunistas me parece pouco produtivo pela própria natureza do totalitarismo desses países. Se rejeitássemos o problema da irracionalidade proposto por Caplan, poderíamos explicar o aprofundamento de medidas anti-mercado (mais comunistas) como resultado de decisões do governo comunista tentando manter-se no poder. Medidas pró-mercado seriam contradições (outra hora discutimos China) e, então, a única solução para manter alguma legitimidade seria tentar mais medidas comunistas na esperança de que dessem certo.

Pensemos em outro exemplo: a crise dos anos 60-70. Considerando que era uma crise, porque não vingaram idéias econômicas mais intervencionistas (ruins para Caplan, ao que parece)? Justamente nesse momento, ganham destaque nos EUA as teses de Friedman e, posteriormente, de Lucas. De fato, no Brasil, vingaram as idéias de aprofundar o processo substitutivo, como no II PND (terá sido ruim mesmo?). Mas isso parece ter mais a ver com as características (institucionais, históricas, políticas, enfim...) do país em questão.

Nesse ponto, poderíamos fazer uma concessão a Caplan: educação era muito superior nos EUA. No Brasil, a educação era (e é) negligenciada. Contudo, a Argentina, cuja qualidade educacional é muito superior a nossa, não mostrou resultados melhores. Autoritarismo e tentativa de legitimação do governo parecem explicações mais razoáveis para países latino-americanos do que uma idea trap.

Acredito que haja sim uma idea trap relacionada a crises e círculos viciosos, mas que não explica tudo. Se houver bom nível educacional, boas idéias virão - embora possam ser suprimidas por más idéias caso o sistema político assim incentive. Em caso de baixo nível educacional, o povo será massa de manobra e o sistema político estará longe de ser um democracia ideal.

Reiterando que essas são apenas impressões de quem leu um texto de Caplan e bem rapidamente.

Comentários

Claudio disse…
vamos ver se consigo discutir isto hoje ainda.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…