Pular para o conteúdo principal

Para os que prestarão ANPEC

Atendendo a pedidos, novamente um post dirigido àqueles que querem prestar ANPEC a fim de fazer mestrado em Economia.

1. Em bons centros de pós-graduação, é simplesmente impossível trabalhar e estudar ao mesmo tempo, pelo menos no primeiro ano. Bolsista também nem pode trabalhar. No segundo ano, há pessoas que trabalham sim. Além disso, há oportunidades de trabalhos como monitorias e aulas na própria FEA ou em outros lugares, geralmente no segundo ano. Uma monitoria é obrigatória no 3o semestre aqui na USP, sendo que você recebe cerca de R$300 pra isso.

2. Se você não tem formação em Economia, é importante que procure um cursinho para se preparar para a prova da ANPEC, que não é trivial. Mas com alguma dedicação, é possível sim: muita gente de outras áreas acaba conseguindo entrar no mestrado, até mesmo em bons centros.

3. Para entrar na USP, os pesos do curso em TE (não vai ter a opção em Institucional nesse ano) são os seguintes: Macro e Macro valem 25% cada uma, Matemática e Estatística valem 20% cada uma. Eco. Brasileira vale 10%. Para entrar na FEA/USP, é bom estar entre os 50 ou 60 primeiros.

Boa sorte a todos.

Comentários

Alejandro disse…
Valeu pelo seu post!
Quais centros para fazer mestrado em economia você recomenda?
Abrs
Willy disse…
Thomas, uma perguntinha. Você acha que dá para se preparar o ANPEC com boas garantias de passar trabalhando ao mesmo tempo?
Muito obrigado.
Abrs
Thomas H. Kang disse…
Bem, pessoal...

Centros que recomendo? Depende do que você quer fazer, hehe. Mais tarde posto sobre isso.

Preparo para a ANPEC trabalhando? Depende 1) de se você foi um aluno bom ou ao menos razoável na graduação e 2) da concorrência do centro que você almeja. Explico melhor outra hora.
Carlos - Curso ANPEC disse…
Olá Thomas,

Realmente muito bom ver suas colocações. Os candidatos realmente tem dificuldades de encontrar informações isentas como esse seu resumo, e portanto toda ajuda vem a calhar.

Dos nossos alunos, realmente boa parte não cursou economia e através do cursinho, e muito estudo individual, obteve resultados satisfatórios para entrar na USP ou na PUC.
Um grande abraço
Carlos L.
Gutemberg disse…
Fala Thomas...
entao, me dê um conselho mais especifico....
Passar pra EPGE/FGV ou PUC-Rio só com cursinho? Eu talvez nao consiga pagar um curso, mas sou disciplinado e dedicado.

Abs
Thomas H. Kang disse…
E aí, Gutemberg!
Não, é possível sim estudando sozinho. Pelo menos é o que o pessoal da UFRGS faz. A gente teve um cursinho bem superficial. Pode ter certeza que, dependendo de tua formação e da tua dedicação, é bem razoável passar na PUC ou na EPGE. Claro que o cursinho facilita.
Gutemberg disse…
Thomas,
obrigado pela orientação. Eu tive uma boa formação em geral. Infelizmente, em Estatistica, foi fraca, mas nada que a gente não supere.

Como voce bem sabe, essas escolas que citei e que desejo são muito disputadas. Trabalhando e estudando a preparação fica muito complicada.
Mas, "em todas essas coisas somos mais que vencedores".

Abracos

G.Howe

Soli Deo Gloria
olá Thomas!!! muito bacana seu blog!! bom, eu final do ano de 2012vou fazer a prova da Anpec2012 e escolhi uns dos centros de seleção a UFMG e UFSC. Essa universidades hão um criterio de avaliação muito pesado ?

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…