Pular para o conteúdo principal

O equívoco da primazia da riqueza

Meu último post foi bastante superficial e bem confuso, escrito no intervalo entre estudos do Mas-Collel e do Greene. No entanto, Stein não perdeu a oportunidade para me rebater em uma questão específica:
Respondendo ao Thomas, ao meu ver, a educação não importa muito. Ela parece importa porque ela é uma proxy da riqueza. Quanto mais rica uma sociedade, mais bem educada ela tende a ser. O que conta para a adoção de boas políticas é a riqueza da população.

Embora Stein esteja se referindo à importância da educação para que hajam boas políticas, é notório a preponderância que ele dá à riqueza em geral, uma vez que a educação é apenas proxy, uma conseqüência quase natural. Na visão tradicional da economia, o mesmo se aplica a outras variáveis como expectativa de vida, analfabetismo, mortalidade infantil, etc.

Para começar, cito Amartya Sen em um exemplo relacionado à saúde:

[...] African Americans are very many times richer in income terms than the people of China or Kerala (even after correcting for cost-of-living differences). [...]. It turns out that men in China or Kerala decisively outlive African American men in terms of surviving to older age groups.*

No caso da educação, se ela é apenas conseqüência da riqueza, ignora-se toda a literatura sobre capital humano, que tem como um dos casos clássicos o coreano. Um dos erros brasileiros foi, na minha opinião, a insistência dos economistas e políticos em acreditar que educação era apenas conseqüência, concentrando-se apenas na riqueza, no crescimento: retrato do nosso desenvolvimentismo falho. A literatura de capital humano vem justamente mostrar a importância do outro lado: o quanto o capital humano contribui para que a riqueza cresça. Vide trabalhos como o de Barro (1991)**.

Outra hora, depois que eu ler o Caplan com mais atenção, comento o que o Shikida postou no De Gustibus e retornamos ao assunto principal. As provocações não têm caráter pessoal, são apenas meios de incentivar a discussão.

*Amartya Sen (1999). Development as Freedom. Anchor Books. pp. 22-24.
** Robert J. Barro (1991). Economic Growth in a Cross Section of Countries. The Quarterly Journal of Economics, Vol. 106, No. 2. (May, 1991), pp. 407-443

Comentários

Sobre a relação entre educação e riqueza, dizer que a primeira é uma "proxy" da segunda não é adequado. Isso significaria que, em estimação econométrica, poderia-se medir a riqueza de um indivíduo apenas pelos dados de sua educação, o que não dá resultados significativos.

O que ocorre, na verdade, é um viés de simultaneidade ao estimar-se a riqueza como função da educação. Isto é, ao mesmo tempo a educação explica parte da riqueza (pelo aumento da produtividade do trabalho) e a riqueza explica parte da educação (pela maior possibilidade de investimentos na formação). Uma saída para esse problema é estimar-se o efeito do capital humano sobre a riqueza, o que, nesse caso, inclui o nível de educação do indivíduo mais uma proxy envolvendo o nível de educação de seus parentes mais próximos. Mesmo que nesse caso, haja colinearidade entre essas variáveis, isso permite estimações mais consistentes para o efeito da educação sobre a riqueza dos indivíduos.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…