Pular para o conteúdo principal

Estado da arte no comércio

Apenas recentemente consegui ler alguns dos artigos do simpósio sobre comércio internacional publicados na Journal of Economic Perspectives deste ano. A JEP sempre é a salvação quando você precisa de uma atualização rápida na fronteira da ciência econômica. 

A volta da abordagem ricardiana aos modelos de comércio para tentar entender melhor os novos padrões de comércio com a expansão de economias de renda média é talvez um dos assuntos mais interessantes. O modelo ricardiano era recentemente encarado apenas como uma maneira didática de introduzir posteriormente modelos mais complexos como o de fatores específicos ou o próprio Heckscher-Ohlin. Ademais, com a importância nos anos 80 e 90 do comércio intra-indústria e o sucesso empírico da "equação da gravidade", os modelos que mais chamavam atenção eram aqueles de concorrência monopolística e economias de escala (à la Krugman-Helpman). No entanto, Eaton e Kortum (2002) trouxeram à tona modelos inspirados em vantagens comparativas oriundas de diferenças tecnológicas (à la Ricardo), mas com hipóteses mais fracas, abrindo novos caminhos na pesquisa sobre comércio. 

Já em edições anteriores da JEP, a questão das firmas exportadoras estava em voga - o que é novamente contemplada nessa edição em artigo de Melitz e Trefler. Afinal, nem todas as firmas exportam. Entender melhor as características micro dos setores que exportam é outro ramo da investigação recente em comércio internacional.

O artigo de Hanson nesse JEP talvez faça as perguntas interessantes em suas considerações finais. Entre elas, tentar explicar a hiper-especialização que tem havido recentemente (em parte devido ao boom das commodities, que tem explicado em boa parte nosso crescimento recente) e entender se o boom de commodities impactou ou não sobre o padrão de vida dos países de baixa renda. Questões fundamentais na agenda de pesquisa sobre comércio internacional.

Comentários

Anônimo disse…
Thomas,
Qual é o texto que você usa para lecionar Economia Internacional? O do Krugman? O do Feenstra-Taylor? o do Caves-Jones-Frankel? o do Van Marrewijk? O do Canuto et alia?
Thomas H. Kang disse…
Feenstra-Taylor! Lamentavelmente, ainda não há versão em português dele, mas para mim é o melhor.
Anônimo disse…
Muito obrigado, Thomas. Para mim, também esse é o livro melhor e mais atrativo. Eu uso o do Krugman, mas só porque tenho de coordinar-me com meus colegas da disciplina. Tentei trocar de livro mas não consegui convence-los.
O Feenstra-Taylor agora foi traduzido ao espanhol.
O do Van Marrewijk também é bom e tem capítulos algo mais avançados. Por exemplo, tem um sobre o modelo do Melitz na Econometrica.
Thomas H. Kang disse…
Não conheço o Van Marrewijk! Vou dar uma olhada. Mas com quem eu estou falando, rs?
Anônimo disse…
:-)
É o Alejandro, professor de Economia Internacional na Universidade Pablo de Olavide, Sevilha, Espanha.
Valeu!
Abrs,
A
Thomas H. Kang disse…
Valeu, Alejandro! Vamos trocar figurinhas se possível! Meu email está no perfil.
Anônimo disse…
Thomas,
Saiu recentemente um livro de International Trade que talvez lhe interesse: Applied International Trade, by Bowen, Hollander and Viaene (Palgrave, 2012). Muito bom. Nível mestrado ou advanced undergraduate. Incorpora as teorias mais novas.
Valeu,
A

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…