Pular para o conteúdo principal

Por que HPE pode ser útil? Samuelson e a equalização dos preços dos fatores

Recentemente, expliquei para os alunos a lógica do Teorema da Equalização dos Fatores, um dos resultados mais fortes das teorias de comércio internacional - desenvolvido principalmente por Paul Samuelson. Claro, não vemos de fato o comércio entre países equalizarem os salários entre países no mundo. Sempre ouvi inúmeras críticas a respeito, como se fosse um total absurdo acreditado apenas por míopes economistas neoliberais. Mas por que esse teorema até hoje é ensinado?

Em primeiro lugar, Paul Samuelson não era neoliberal - defendia políticas keynesianas em vários aspectos e talvez seja o maior economista do século XX em termos acadêmicos. Um de seus resultados em teorias de comércio, publicado como "International Trade and Equalisation of Factor Prices" na Economic Journal em 1948 (ver link direto aqui), reconhece vários problemas dos teoremas derivados do modelo Heckscher-Ohlin. Um dos principais é que, para o teorema da equalização dos preços dos fatores valer, precisa-se assumir funções de produção iguais entre os países (ou seja, mesma tecnologia):

There remains a third, and perhaps more fundamental, reason why factor prices need not be equalised: the Ohlin proportions-of-the-factors analysis of international trade has  fundamental inadequacies and limitations. The Ohlin analysis explains much; but there is much that it fails to explain; and if adhered to inflexibly, there is much that it can obscure. […] Is it reasonable and useful to set up the hypothesis that production functions are the same the world over? (Samuelson, 1948, p. 181)

Ele não fala ainda em capital humano (teríamos que esperar Becker e Schultz na década de 60), mas reconhece que há muitas diferenças até entre trabalhadores (mas não apenas) que podem afetar produtividade e tratar dois países como iguais só porque têm proporção de fatores iguais não é suficiente - seja por diferenças em conhecimento, cultura e vários outros aspectos do "ambiente", segundo minha interpretação do seguinte trecho:

When we turn to the question of defining significantly comparable categories of productive factors, we run into similar difficulties."A man's a man for a' that," but is a jungle pigmy to be equated to an Eskimo? An illiterate "hill-billy" to his cousin  working  in  the Detroit  factories  and "broken" to an industrial regime? Even if we are sympathetic to the eighteenth-century view of the plasticity of human nature, so that all men (and women) are regarded as potentiallyalike, we must not overlook the important environmental differences that have conditioned their industrial effectiveness (Samuelson, 1948, p. 182).

Seguindo a tradição de Friedman (1952), talvez a maioria dos economistas diga que aprova um modelo por seus resultados (será mesmo?), sem questionar suas hipóteses, mas Samuelson já antevia os evidentes problemas empíricos devido às hipóteses excessivamente simplificadas. Leontief talvez apenas tenha confirmado a ideia em 1953 - ao menos é o que parece segundo esse trecho do mesmo texto:

We may conclude by saying that factor proportions explain only part of the facts of international economics. We must still set up hypotheses of differences in international production and productivity, differences in effectiveness which are to be accepted as empirical facts even if not simply explainable (Samuelson, 1948, p. 182-3).

Mas os economistas querem chamar atenção da importância da dotação de fatores - e é por isso que continuamos com modelos com proporções de fatores: hoje mais complexos, é claro.  

Ou seja, grandes economistas como Samuelson sabiam das virtudes e limitações de seus modelos. Depois os livros-texto espremeram tudo e a grande riqueza de artigos seminais como esse se perdeu. É evidente que os manuais devem ser lidos - não se pode esperar que alunos aprendam apenas lendo papers ou manuais de história do pensamento econômico. Os manuais são de utilidade inestimável, mas não podemos contar apenas com eles, porque muitas vezes os manuais perdem os detalhes. A história do pensamento pode ter um papel complementar importante. E quem fica na superfície - onde eu estava nesse assunto antes de começar a estudar seriamente o tema - acaba dizendo que esse teorema é uma grande besteira sem mais nem menos, como se Samuelson fosse estúpido. Ninguém é obrigado a concordar com teorias, mas é importante ponderar sobre as virtudes e limitações de modelos antes de desqualificá-los - como os próprios criadores das grandes teorias ponderaram acerca de suas próprias criações. 


Comentários

Dejanir disse…
Acho que eu concordo com vc que HPE pode ser útil. Mas é algo que serve para complementar, mas não sei se é uma forma super eficaz.

Por exemplo, tem um artigo do Trefler (JPE 1993) em que ele mostra empiricamente que equalizacao dos fatores vale no sentido condicional, i.e., se vc incluir diferenças em labor augmenting productivity.

É claro que esse artigo não é a última palavra sobre o assunto, mas o meu ponto é que embora a intuição do Samuelson sobre o tema é algo a ser respeitado, não é claro porque isso é melhor do que um olhar sobre a evidência mais recente.
Thomas H. Kang disse…
Claro, Dejanir! Atualização é imprescindível (ler o Trefler, o Handbook, os manuais ou quem sabe o livro do Helpman do ano passado "Understanding Global Trade"). E é evidente que não faz sentido gente que não pesquisa HPE ler todos os originais ou coisas assim. Seria ineficiente. Mas é preciso respeitar a pesquisa em HPE e cursos de HPE podem ser bem úteis nesse sentido - para evitar os erros que ouvimos por aí por falta de formação tanto teórica quanto histórica.
Anônimo disse…
Não lembro quem escreveu, entre as utilidades da HPE, a principal delas é a de proporcionar insights para os economistas profissionais.
Liderau
Anônimo disse…
Eu não tinha certeza que era o Krugman. Lendo o Moral Hazard tava lá a referência correta:
http://krugman.blogs.nytimes.com/2012/03/27/minksy-and-methodology-wonkish/?src=tp

Liderau
Thomas H. Kang disse…
Sim, acho que a utilidade maior é essa, não uma questão de argumento de autoridade. Aliás, esse é um excelente post do Krugman. E acho que também serve para evitar o espraiamento de bobagens. Mas é um debate em aberto.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…