Pular para o conteúdo principal

Alguém sabe definir "elite"?

Em minha dissertação, tenho falado bastante dos termos "política educacional elitista", "elites" e coisas do tipo para dizer que a educação primária não foi prioridade ao longo da história. Aí o orientador pediu pra eu definir "elite".
Vocês já devem estar enjoados do Acemoglu (e do Robinson, seu co-autor) neste blog, principalmente nos últimos dias. Mas é deles uma definição que achei, um tanto quanto vaga e imprecisa (como discutia com seu Guilherme Stein dos Rabiscos). Afinal, quem é a elite? Aí vai a resposta deles:

This depends to some extent on context and the complex way in which political identities form in different societies. In many cases, it is useful to think of the elite as being the relatively rich in society, as was the case in nineteenth-century Britain and Argentina. However, this is not always the case; for instance, in South Africa, the elites were the whites and, in many African countries, the elites are associated with a particular ethnic group. In other societies, such as Argentina during some periods, the elite is the military.
It may not be a coincidence that in many situations the elite and the rich coincide. In some cases, those who are initially rich may use their resources to attain power, perhaps by bribing the military or other politicians. In other circumstances, power may be attained by people who are not initially rich. Nevertheless, once attained, political power can be used to acquire income and wealth so that those with power naturally tend to become rich. In either case, there is a close association between the elite and the rich.

Acemoglu, D. and Robinson, J. (2006) Economic Origins of Dictatorship and Democracy. Cambridge: Cambridge University Press, p. 15-16.


Alguém tem uma definição melhor? Claro, sempre tem o velho Marx falando em classe capitalista detentora dos meios de produção, mas essa categoria não serve para política educacional.

Desculpas por não traduzir o texto. Blogs devem facilitar para o leitor, mas, na academia, não tem jeito. É inglês mesmo. Assim, acho que estou sendo pedagógico.

Comentários

Henrique disse…
Poxa Kang, isso tá mais pra uma "proxy" de elite do que uma definição propriamente dita, não é verdade?

Na real, a minha concepção de elite é a de uma minoria organizada que tem poder sobre, alguns diriam domina, uma maioria desorganizada. E este poder está mais relacionado à força do que à bufunfa, embora seja comum as elites usarem a força para extrair bufunfa da galera, como bem disseram os queridinhos deste blog.

A galera que trata de elite na ciência política é o Mosca e o nosso bom e velho Pareto. Sei que seu tempo tá curto, mas talvez com eles venha alguma inspiração concretização da sua buscada definição.

Semestre passado vi um working paper do Bursztyn e mais uma galerinha de Harvard defendendo que educação não era provida para as massas porque isso simplesmente não era prioridade para elas. Eu sei que tá meio grotesco, mas era algo do tipo. Dê uma olhada.

Abraços
Thomas H. Kang disse…
Perae, quem é Mosca?
Pareto... hm, fonte?

Bom, pode até ser meio grotesco, mas é mais ou menos o que digo. Vou olhar o working paper dele.

E obrigado!
Diego Baldusco disse…
Se for tentar usar o argumento de correlação e tentar comparar em vários lugares suas elites e o que elas têm em comum, acho que dinheiro acaba sendo o maior denominador comum. a elite, num termo bem geral, me parece ser a parcela mais rica, apenas por falta de melhor método que eu conheça pra achar essa definição.

Pensando de outra forma, a elite tendo dinheiro (invertendo causalidade agora) ela tem acesso a muitas coisas, como estudo, saúde, melhor lugar no estádio, etc...E isso faria dela elite. Logo, elite me parece ser algo que acompanha (vem depois (d)) o dinheiro de certa forma.
Humberto disse…
primitivamente elite tem a ver com o privilégio de alimenta-se primeiro quando a comida chega (como entre os cães). E também tem a ver com direitos de acasalamento e primazia sexual dentro do bando. Sinceramente, acho que isso é tudo sobre elite. É Claro, temos que adicionar especificidades da época e do local, o que eu não vou ter tempo de fazer agora, rs.

Atualmente os direitos de elite se exercem por meio do dinheiro. Mas na época dos trogloditas, era pelo corpanzil do mais apto.
pettersonvale disse…
Você já viu o último livro do North? A definição de elite é central em todo o texto, e apesar de ainda bastante subjetiva, é a melhor que já vi:

"The natural state reduces the problem of endemic violence through the formation of a dominant coalition whose members possess special privileges.
The logic of the natural state follows from how it solves the problem of violence. Elites – members of the dominant coalition – agree to respect each other’s privileges, including property rights and access to resources and
activities. By limiting access to these privileges to members of the dominant coalition, elites create credible incentives to cooperate rather than fight
among themselves. Because elites know that violence will reduce their own rents, they have incentives not to fight. Furthermore, each elite understands that other elites face similar incentives. In this way, the political system of a
natural state manipulates the economic system to produce rents that then secure political order.
The dominant coalition contains members who specialize in a range of military, political, religious, political, and economic activities."

North e outros - violence and social orders, 2009.

Se quiser posso te mandar o e-book por e-mail.

Abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…