Pular para o conteúdo principal

Qual o conceito de desenvolvimento? - parte 1

Economistas não costumavam usar muito o conceito de "desenvolvimento econômico" antes do século 20. Alguns falaram de "desenvolvimento das forças produtivas" e o objeto de estudo da Economia nos clássicos era algo parecido com o que veio a ser o conceito mais difundido. Smith estudava a riqueza das nações, assim como Stuart Mill definiu a riqueza como o objeto de estudo da Economia Política Clássica. Não muito diferente do que viria a ser considerado desenvolvimento por um bom tempo.

No entanto, talvez um marco do uso do conceito "desenvolvimento econômico" seja a obra de Schumpeter em 1911 (ele usa o termo Wirtschaftlichen Entwicklung). Mas a sua conceituação é algo bem original e que não teve muita continuidade, à exceção dos chamados neo-schumpterianos, que são poucos. Para Schumpeter, desenvolvimento diferiria de crescimento porque o primeiro exigiria o rompimento do fluxo circular via inovações. Uma diferença teórica, que levou Furtado a dizer que Schumpeter teria criado uma definição muito útil, porém "a-histórica". Na verdade, historicamente crescimento e desenvolvimento sempre teriam andado juntos. A mesma justificativa ainda é dada até hoje por Bresser e outros saudosistas do velho estruturalismo.

Na verdade, desenvolvimento só veio a se tornar conceito difundido na agenda dos economistas a partir do surgimento da Development Economics. Rosenstein-Rodan, Nurkse, Myrdal, Lewis, Hirschman e outros, preocupados com o atraso no pós-guerra e visando superar o subdesenvolvimento com ativismo estatal, criaram esse campo de pesquisa, muito fértil até o final dos anos 50. A partir de então, essas idéias entrariam em declínio em parte por conta da estagflação dos anos 60. Ademais, Friedman nos anos 60 e Lucas nos anos 70 marcariam época com suas idéias em relação a expectativas, deixando aquele pessoal em segundo plano.

Durante esse período, sempre se falou de desenvolvimento como sinônimo de crescimento. É claro que se pensava em qualidade de vida, em saúde, etc. Mas era como se essas mudanças viessem automaticamente a partir de altas taxas de crescimento da renda per capita. Não foi bem o que aconteceu em alguns lugares. E foi a partir desse conceito que o Brasil perseguiu sua industrialização, pouco se lixando para distribuição de renda ou para educação.

Desenvolvimento é um conceito em crise. Mas tem gente por aí tentando redefini-lo e talvez seja por aí o caminho.

[continua no próximo post]

Comentários

pettersonvale disse…
Thomas, desenvolvimento não pode ser um conceito se não há uma definição amplamente aceita. Será, nesse caso, apenas uma idéia, uma utopia, uma noção ou coisa do tipo.

O Bresser-Pereira é, na verdade, crítico do velho estruturalismo, e da sua versão nacional "velho-desenvolvimentista". Ele defende um "novo-desenvolvimentismo", em que o mercado tem um papel mais relevante do que antes, sempre que conciliado a um Estado forte e regulador.

Mas concordo que a idéia de desenvolvimento está em crise. Na verdade, ela tem sido substituída pelo desenvolvimento sustentável (ou pelo ecodesenvolvimento).
Thomas H. Kang disse…
De fato, você tem alguma razão. Minha monografia foi sobre desenvolvimentismo e cheguei a abordar as críticas que Bresser faz a sua versão antiga. Mas eu a considero uma espécie de crítica interna. Por isso, considero-o um tanto quanto saudosista. Mas vou mudar o texto. Não fui rigoroso, como você percebeu.
pettersonvale disse…
Você leu o último livro do Bresser-Pereira? "Macroeconomia do desenvolvimento", ou coisa assim. Tenho a impressão de que é a melhor saída que existe na literatura econômica nacional para a questão do desenvolvimento num contexto de país semi-periférico. Bastante tímida, é verdade, principalmente por não fazer qualquer esforço para incorporar a questão da sustentabilidade, que é agora fundamental, mas um começo. Ele também organizou, na FGV, um curso de verão sobre o assunto, o que demonstra a liderança na tentativa de criação de um novo consenso sobre o caminho que o país deve seguir.

Você tem notícia de outras sistematizações da idéia do desenvolvimento nacional que tenham sido feitas nos últimos anos?

Abraço
Thomas H. Kang disse…
Não li esse livro e não sei que sistematizações há. Há um livro sobre Novo-Desenvolvimentismo escrito por alguns desses pós-keynesianos (Sicsu, Paula, Oreiro, Ferrari, etc.). Dá uma procurada.

Confesso que não sou muito simpatizante das idéias do Bresser, especialmente no tocante à macroeconomia. Acho que as contribuições de teorias de desenvolvimento mais recentes são muito mais interessantes e inclusivas. Falarei mais sobre isso outra hora.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…