Pular para o conteúdo principal

Autismo

No primeiro semestre de 2008, fiz o curso de Economia Brasileira aqui na pós-graduação da FEA-USP. O programa da disciplina, ministrada pelo meu orientador Renato Colistete, que deve se repetir nesse semestre, está aqui. Talvez vocês percebam que não leram metade ou mais dos textos desse programa. Muitos deles vocês nem ouviram falar.

Por sorte, eu tive excelentes cursos de Economia Brasileira na minha graduação com o Pedro Fonseca e o Sérgio Monteiro. Mas observando outros lugares e mesmo os cursos que eu fiz, há alguma tendência do ensino de história econômica brasileira em direção ao autismo. Lê-se apenas os mesmo velhos autores de sempre, os clássicos brasileiros.

Façamos um exame do que leram os alunos que fizeram graduação em Economia e tiveram Economia Brasileira. Eu aposto que:
  • Todos leram Celso Furtado, Conceição Tavares e Barros de Castro, além dos textos da Ordem do Progresso e dos planos de estabilização (Chico Lopes, Larida, etc.)
  • Quase todos leram Caio Prado, Werner Baer, Bresser, Suzigan e Serra
  • Alguns leram Peláez, Fishlow, Boris Fausto, Warren Dean, Pedro Fonseca, Bonelli e Malan.
  • Ninguém leu e sequer deve ter ouvido falar de Stanley Stein, Nathaniel Leff, John Wirth, Stanley Hilton, Renato Colistete, Sérgio Monteiro e William Summerhill.

Confere?

Se você não leu Fishlow ou Dean, faça isso imediatamente porque você é um pecador. E saiba que existem outras interpretações para o II PND além do Barros de Castro.

Comentários

Andre disse…
Ola Thomas, meu nome e Andre e sempre leio seu blog acho muito interessante principalmente quando vc fala um pouco sobre suas experiencias no mestrado, pois pretendo comecar o meu em breve. Esse ano vou prestar pela segunda vez a Anpec (ano passado somente passei na USP-RP) e tenho uma duvida em relacao ao mestrado: Ao iniciar o mestrado eh necessario ja saber sobre qual sera o tema da sua dissertacao? Caso ao contrario, quanto tempo mais ou menos vc tem para pensar sobre o assunto e escolher seu orientador? Obrigado!
Grande Thomas!
Vamos por tópicos
Eu não li Barros Castro nem Conceição Tavares, apesar de ter estudado um pouco das coisas que esta última falou;

Os do segundo tópico realmente li todos esses;

Os do terceiro li Peláez, Fishlow e Boris fausto;

Do último li só Nathaniel Leff, apesar de conhecer superficialmente Summerhill...

Isso tudo mesmo eu não sendo um grande fã de história econômica... Entretanto, reconheço a importância do estudo da mesma!

Belo post!
Cristiano disse…
Parabens pelo blogue. Muito bom mesmo e estarei linkando ele ao meu. Caso seja contrário, avisar que retiro o link do Besteiras Pessoais.
Thomas H. Kang disse…
Sem problemas, Cristiano!

Pedro Henrique do Homo Econometricum: O Shikida que sempre comentava de ti. Cara, tu deve ser do IBMEC-MG porque tu não ter lido Tavares ou Barros de Castro é algo bem incomum. Mais incomum é tu ter lido Leff! Inusitado. O ideal é ler tudo! Mas daí o custo de oportunidade é alto, hehe.

André: a FEA-USP prefere que vc já defina um projeto no meio do segundo semestre. Acho que PUC-Rio, EPGE-FGV e FGV-SP querem que vc tenha projeto no comeco do segundo ano. Mas não tenho certeza. De qualquer forma, nenhuma exige projeto antes. O que acontece é que, por exemplo, tu pode acabar entrando sem bolsa e precisar de um projeto de pesquisa para submeter à FAPESP em março (logo qdo começa). mas quase ngm faz isso pq é complicado.

Mais informações?
lucas disse…
fala Thomas,

hj descobri seu blog. Estou achando excelente, bem escrito, diversificado, despretencioso e leve, diferente dos blogs excessivamente "engajados" (pra um lado ou pro outro). Pelos assuntos me faz lembrar as coisas q estudei na graduação, na FEA, mas que agora nao dá mais tempo de estudar.

os alunos da minha turma aqui na PUC-Rj tb tem um. Visite nosso blog "espectro economico".

parabéns
ab.
JOÃO MELO disse…
Thomas, verdade o que você escreveu. Eu também passei pelo que você escreveu e somente após outros estudos é que tomamos conehcimento que a "vida na economia" não é somente "certa" com determinados colegas.
Que bom revê-lo e relê-lo neste 2009. Continue escrevendo que nós, aqui da selva, continuamos sendo seu leitor. Abração, João Melo
guto howe disse…
FALA THOMAS,

CARA, EU NAO LI WARREN DEAN. MAS O QUE VOCE PODE INDICAR? SEJA MAIS ESPECIFICO NOS INDICANDO OS LIVROS QUE VOCE ACHA MAIS RELEVANTES.

ABRACOS

GUTO HOWE

SOLI DEO GLORIA.
Thomas H. Kang disse…
Cara, o livro mais conhecido dele chama-se "A Industrialização de São Paulo". Vale a pena ler, de preferência em inglês mesmo.

Na página do Renato Colistete (o link tá no post), tem o programa com as obras do Dean que ele indica pra leitura.

Fica com Deus

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…