Pular para o conteúdo principal

Generalizações e Crescimento: Instituições ou Geografia?

Ciência é feita de generalizações. O problema, segundo alguns, é até que ponto podemos generalizar sem perder poder explicativo demais. Em Economia, a questão do crescimento econômico de longo prazo é uma das mais antigas e ainda uma das mais controversas. Saber os fatores que levam ao crescimento sustentado é um debate que continua até hoje, principalmente com as contribuições cruciais do institucionalismo. Convém, no entanto, chamarmos atenção para possíveis exageros: instituições passaram a ser explicação para tudo. É nisso que reside o perigo.

Engerman e Sokoloff (1997, 2002), no debate sobre o crescimento econômico no Novo Mundo, afirmam que a dotação inicial de fatores foi fundamental para determinar o padrão de crescimento das diferentes regiões. A América do Norte, com poucos indígenas e clima parecido com o europeu, foi alvo de amplo povoamento, gerando instituições mais democráticas. No resto da América, instituições mais elitistas foram criadas devido à produção de mercadorias de alto valor comercial possibilitadas pelas dotações iniciais. No meio do caminho, para explicar o tipo de crescimento, Engerman e Sokoloff atribuem importância às instituições. No entanto, elas são em última instância determinadas por fatores geográficos: clima, solo, etc.

Engerman e Sokoloff estão falando especificamente do caso do Novo Mundo, que foi colonizado por europeus a partir do século XVI - uma situação específica. Eles não buscam generalizar isso para crescimento econômico em todos os lugares do mundo. Economistas como Sachs, no entanto, acreditam que a geografia é o papel preponderante a determinar o crescimento econômico. Contrariamente, Rodrik acredita que são as instituições os fatores fundamentais. Tal posição é ainda corroborada por Acemoglu, Johnson e Robinson (2004).

Generalizando para o mundo, é difícil discordar da última posição. O exemplo de AJR (2004) é bastante singular: pensemos nas duas Coréias. Ao examinarmos as condições iniciais no norte e no sul, poderíamos pensar que o norte teria mais chances de se desenvolver. No entanto, o sistema planificado da Coréia do Norte é completamente diferente do sistema capitalista adotado pela Coréia do Sul, ou seja, eles tem instituições completamente diferentes. Essas instituições não foram determinadas por fatores geográficos, como foi o caso das Américas. No entanto, acho difícil contestar que as instituições têm grande parte da responsabilidade pelo sucesso da Coréia do Sul e pelo atraso norte-coreano.

O grande problema é que a generalização parece até um pouco grotesca, embora a conclusão seja correta. Afinal, estamos explicando alguma coisa ao dizer que são as instituições que determinam os diferentes padrões de crescimento econômico das Coréias? Podemos concordar que a geografia não é o principal, mas o risco de generalizações como essas é esvaziar o significado do termo "instituição", que pode se transformar numa espécie de senha mágica que nada explica, uma solução para todos os problemas.

Comentários

HenriqueUSP disse…
Caro Thomas,
Concordo com o ponto que é importante não esvaziar o conceito de instituições, tornando-o uma panacéia no entendimento dos problemas do crescimento. Mas, na minha opinhião não é bem esse o caso nos exemplos dados. O caso das Coréias é bem interessante, no sentido de ser um "experimento natural", onde se mantém fixo a geografia, a cultura e diversos outros fatores, variando-se (bruscamente eu diria) as instituições. Mas, sem dúvida, apesar de interessante, isso não prova nada. E sse fato é reconhecido pelos defensores desta tese. Uma forma mais robusta de teste da importância foi feita por AJR ao tentar buscar uma fonte exógena (essa é a palavra-chave) de variação das instituições. Os resultados obtidos por eles pareceram, pelo menos para mim, bem robustos, resistindo as mais diversas especificações. E, outro ponto importante, é que quando se afirma que as insituições são a causa fundamental do crescimento, não se quer dizer que a geografia é irrelevante, mas que a geografia afeta o crescimento através das instituições, ou seja, uma vez levado em conta o papel das instituições, a geografia não parece ser um fator importante.
Thomas H. Kang disse…
Henrique,

Na verdade, eu gosto muito do texto de AJR. Apenas estou tentando levantar a questão da generalização. Sim, são as instituições a causa do crescimento sustentado de longo prazo. Acho que concordo com isso devido ao texto deles. Mas fica aquela ponta de dúvida, aquela coisa de historiador econômico. O Renato Colistete, meu orientador, chegou a me dizer que talvez se perca muito poder explicativo. De qualquer forma, gosto muito do texto e pretendo usá-lo na minha dissertação.

Tu estás tb absolutamente correto quando diz que a geografia pode afetar o crescimento através das instituições. Na verdade, é exatamente isso que Engerman e Sokoloff querem dizer em todos os seus textos a respeito do tema. Só que eles não generalizam pro mundo todo, ficam apenas no Novo Mundo. De fato, não deixei claro. Em momento algum quis dizer que geografia é irrelevante. Inclusive, a abordagem de Engerman e Sokoloff em nada nega a tese de que a fonte de crescimento são as instituições. Apenas no caso específico das Américas, a geografia teve papel importante para a criação das instituições, o que não é necessariamente verdade em outros lugares. Logo, AJR continua valendo.


Bom, levantei a questão e o teu comentário foi bem válido! Valeu mesmo.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…