Pular para o conteúdo principal

Persistência e objetividade - para que seu paper seja publicado um dia

Uma vez que se aproxima o World Economic History Congress, tenho trabalhado demais no meu eterno paper, o que deixa pouco tempo para o blog e outras coisas mais. Aqueles que quiserem opinar sobre meu abstract, são bem-vindos. O paper será apresentado na sessão intitulada “Financing the Rise of Popular Schooling in the Developed and Developing Worlds:Comparative and Historical Perspectives”. Muita gente boa na sessão. 

Se você está escrevendo um paper e está com dificuldades, não se preocupe. Eu comecei a escrever esse paper em 2008. Na verdade, a versão de 2008 sofreu modificações até 2010, quando de repente sofreu uma metamorfose. A segunda versão então durou até o mês passado. No entanto, após receber um parecer crítico, fui obrigado a mudá-lo completamente pela segunda vez. Estou na terceira versão e ainda acho que está longe de ser a última. O segredo é não desanimar e aprender bem econometria, além de tornar o paper linear. Ou seja, todo o argumento ao longo do texto deve estar coeso e objetivo com o intuito de responder a pergunta inicial. Acho que meu paper ainda não chegou à sua melhor forma por esses critérios.

Por enquanto o abstract de "Suffrage, Political Voice and Primary Education in Brazil, 1947-1962" é esse:

This article aims to examine the influence of suffrage rates on the rates of primary education enrollment  in Brazil between 1947 and 1962. There was neglect from the federal government in expanding mass primary schooling, leaving this task to state governments. Thus financial centralization has probably hampered the expansion of enrollment rates during the period. As states were responsible for educational matters,the effect of suffrage rates on enrollment rates at the state level were tested.It was found that the suffrage rate was not a significant explanatory variable, under the assumption of the existence of state unobservable characteristics. The evidence indicates that education in Brazil developed within the context of an elite democracy, due to which the expansion of suffrage had little effect on the expansion of education.


Comentários são evidentemente bem-vindos.

A boa notícia dada pelo Tarcísio Botelho (UFMG) é que em breve teremos o livro que ele está organizando. E lá dentro, haverá até um capítulo escrito por mim, mas também por gente mais famosa no ramo como o Leo Monastério. Falando em Léo, ele postou essa bela reportagem sobre um paper do Renato e do Irineu!


Comentários

Anônimo disse…
Pô, fazer comentários com base apenas em abstract é florida. Cadê o paper?
Ao longo do processo de publicação, entre idas e vindas de pareceristas de várias revistas diferentes, o paper final fica meio Frankenstein.

Tomo como exemplo minha primeira publicação (bem pior que o teu paper, já deixo claro, é um paper feito para uma disciplina do mestrado):

http://www.ppge.ufrgs.br/akb/encontros/2008/09.pdf (a 1a versão)

http://seer.ufrgs.br/AnaliseEconomica/article/view/9413 (a versão publicada)

Da versão original até a versão publicada, só ficaram os resultados!

Abraço

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…