Pular para o conteúdo principal

Notas sobre a China

Eu não sabia, talvez ingenuamente, mas o blogger.com/blogspot é proibido na China. Pior, o Facebook e o Twitter também. Aparentemente há maneiras de acessá-los, como o Gabriel - que também estava na China - descobriu e conseguiu ainda postar algumas coisas em um blog do UOL. No entanto, esse não foi o meu caso durante a visita ao país do dia 9 ao dia 16 de junho. 

A foto não é minha, mas depois posto as minhas. Shanghai
Participei da 51a reunião da Comissão das Igrejas em Assuntos Internacionais (Commission of the Churches on International Affairs - CCIA) do Conselho Mundial de Igrejas (CMI/WCC), em Shanghai e Nanjing. Fomos recebidos pelo Conselho Cristão da China, órgão autorizado pelo governo que representa os protestantes na China. Felizmente, a maioria dos membros da Comissão conseguiu obter o visto para entrar na China, mas não todos: o moderador da nossa Comissão não conseguiu, fato que foi noticiado pelo Washington Post.

A primeira impressão que preciso compartilhar com os leitores se refere aos aparentes excessos de Shanghai e Nanjing em termos de construções. Os prédios são gigantes, os carros são em geral carros caros, a poluição é excessiva, poucas bicicletas e muitas motocicletas, gente demais em todo o lugar, pontes e viadutos gigantes - passei até por um túnel que tinha mais de 3km de extensão. Ademais, a ocidentalização é evidente entre os chineses que mais se beneficiaram do crescimento: vimos muitas chinesas de saias curtas indo para a balada na noite de sábado ao passearmos pelo Bund de Shanghai.

Em nossas reuniões, tivemos uma palestra com um economista de uma universidade chinesa. Ele afirmou, entre outras coisas, que o coeficiente de Gini (para desigualdade de renda) na China era algo entre 0,3 e 0,4. Imediatamente, acessei o site da CIA, cujo Factbook afirma que o Gini chinês é 0,48. Se todas as teorias de conspiração são válidas, eu estimo, sem qualquer base científica, que o Gini da China seja algo próximo a 0,43. A impressão, de qualquer maneira, embora não tenhamos visitado a zona rural, é que a desigualdade deve estar crescendo.

Os discursos, tanto de líderes da igreja, como também do Vice-Ministro de Assuntos Religiosos, que também falou conosco, sempre se referiram a busca por uma "sociedade harmoniosa" - e que a religião teria seu papel nisso. Uma ideia fácil de se tomar como verdadeira em uma sociedade com fortes influências confucionistas - e que mitiga os conflitos sociais, sejam oriundas de diferenças étnicas ou da crescente desigualdade. 

Em breve, escreverei mais sobre o tema.

Comentários

Gabriel disse…
Thomas, opinar contra o governo pode ser crime na China. Se falaram que o gini é aquele, então é! Hehehe
Brincadeiras à parte, sempre que tinha acesso, lia jornais chineses. Nos avioēs, distribuem o China Daily, que é todo escrito em inglês. Li uma reportagem criticando as embaixadas estrangeiras que publicam índices de poluição atmosférica próprios. O argumento é que a qualidade do ar é tema de interesse publico e diplomatas, regulados por convenções internacionais (até citaram a Convenção de Viena), não podem interferir em assuntos de interesse público. A questão é que o governo divulga um índice de qualidade do ar e as embaixadas divulgam outro. Normalmente, o índice chinese interpreta os números mais generosamente, digamos assim. Um mesmo índice é qualificado como bom para o governo e como ruim para os americanos, por exemplo.
Estou curioso para saber mais sobre o que observou na China.
Abraço
Anônimo disse…
Parece que Mr. Thomas não vai mais para a China - ou, se for, tvz não consiga sair....

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…