Pular para o conteúdo principal

Tarifas e crescimento no século XIX


O livro “Chutando a Escada” de Ha-Joon Chang (2002) ganhou grande destaque há alguns anos, pelo menos nos círculos acadêmicos brasileiros. Lembro-me de ter lido o livro e ficado um pouco decepcionado. Era sabido que os EUA e a própria Inglaterra tinham aplicado políticas protecionistas durante suas respectivas Revoluções Industriais. Mas em nenhum momento, pelo menos na minha avaliação, Chang mostra os mecanismos pelos quais essas políticas teriam surtido efeito. 

Resolvi recentemente, por conta da disciplina de Economia Internacional que ministro, pesquisar a bibliografia a respeito de tarifas e proteção na história. Boa parte da discussão de Chang se baseia nos dados de Bairoch (1989, 1993). Ou seja, Chang traz pouco de algo novo, embora ele tenha um texto bem escrito. Mas com base nesses dados e em outros, gente muito boa como o Kevin O’Rourke (Economic Journal, 2000) escreveu sobre tarifas e crescimento no século XIX, chamando atenção para a relação positiva entre eles e através de métodos econométricos (e com resultados bem robustos). Douglas Irwin (The World Economy, 2001) discute as tarifas nos EUA do século XIX e argumenta, de forma convincente, que as tarifas não ajudaram tanto o crescimento norte-americano ao analisar os mecanismos pelos quais tarifas poderiam ter influenciado o crescimento. Clemens e Williamson (Journal of Economic Growth, 2004) tem um belo paper levantando hipóteses (algumas das quais são testadas) para explicar porque a relação entre tarifas e crescimento mudou após 1950. Uma discussão muito mais rica, na minha opinião, do que a do Chang.

Não entendam aqui que sou contra a conclusão de Chang. Até acredito que, com mercados imperfeitos, a proteção pode ajudar certos setores a baixarem suas curvas de custos no longo prazo e impedir doenças holandesas. Sabemos dos exemplos de Japão e China no setor automobilístico (que parece ter dado certo) – assim como também do Brasil no setor de computadores (em que a proteção não deu certo),  embora ainda não haja avaliações definitivas a respeito de tudo isso. Estou agora lendo o "Trade and Poverty" do Jeff Williamson e ali ele esclarece a relação entre comércio, crescimento e pobreza. Meu problema com Chang é a falta de evidências contundentes no “Chutando a Escada” em particular. Pelo menos, amigos meus afirmam que o “Rethinking Development Economics” do Chang é um livro mais interessante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…