Páginas

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Gastos em educação por estudante

Escrevi recentemente na Carta de Conjuntura da FEE sobre os gastos em educação por estudante no Brasil. Como o espaço na Carta era pequeno, vale a pena colocar algumas referências aqui sobre esses gastos e, principalmente, compará-los com as despesas em educação de outros países.

Como indiquei na Carta, de acordo com dados do MEC-INEP, para cada real que gastamos no Brasil com o estudante da educação básica, gastamos cerca de R$ 5,20 com o estudante do ensino superior em 2009. Um indicador levemente diferente, a razão gastos com estudante do ensino superior (tertiary education) sobre gastos com estudantes do primário (primary education), atinge o valor de 5,88 para o ano de 2007 no Brasil. Se observarmos o que acontece lá fora, essa razão é, em geral, muito menor:

País
Estados Unidos
Suécia
Coreia do Sul
México

É natural que, devido às despesas com laboratórios e pesquisa, por exemplo, os gastos com o ensino superior sejam maiores do que os do ensino primário. No entanto, como é notório, há uma desproporção relativa nos valores apresentados pelo Brasil. Temos duas interpretações possíveis: ou os gastos no ensino superior são altos, ou os gastos no ensino primário é que são baixos. Pelos valores apresentados na tabela da OCDE, parece que nosso problema é a segunda opção: gastamos muito pouco no ensino primário. Não que gastos reflitam necessariamente em qualidade ou eficiência, mas refletem quais são as prioridades dos nossos governos nessa área. Felizmente, a situação tem melhorado: em 2000, a razão gasto por estudante da educação superior sobre gasto por estudante da educação básica chegava a 11,1 no Brasil.

Nenhum comentário: