Pular para o conteúdo principal

E os salários dos professores?

O debate sobre a avaliação de professores do nivel básico tem tomado conta dos noticiários nos últimos dias. A última Zero Hora (jornal de grande circulação em Porto Alegre) mostrou sistemas como o finlandês e o norte-americano. O primeiro se baseia em altos salários aos professores, de quem são exigidos boa titulação, enquanto o segundo parece focar em sujeitar professores a avaliações.

Ainda que eu ache avaliações interessantes, acredito que no caso do Brasil, os salários absurdamente baixos dos professores do ensino básico prejudica a atração dos melhores para essa fundamental função. Os mais qualificados têm poucos incentivos para tentar a carreira docente, mesmo quando se sentem vocacionados para tal. Enquanto isso, milhares de funcionários públicos do Juudiciário que nada mais fazem do que arquivar papeis muitas vezes, recebem muitas vezes mais. A distorção de incentivos é evidente.

Nada contra quem está no Poder Judiciário fazendo trabalhos burocráticos e ganhando 3 mil ou 4 mil reais por mês. O culpado é o sistema gerador dessas desigualdades, deixando as crianças mais necessitadas em uma armadilha da pobreza, uma vez que no atual estágio, a qualificação educacional é crucial para haver possibilidade de ascenção social. Também não estou afirmando aqui que todos os professores da rede pública são despreparados. Estudei até a 5a série do ensino fundamental em escola pública e lembro de ter tido alguns bons professores. Mas a tendência em um sistema que paga tão mal seus educadores é justamente permitir que os melhores acabem indo para outras direções.

Está na hora do país entender a importância da educação (principalmente de nível fundamental) e realmente tratá-la como prioridade. Vide Argentina que, mesmo com todos os erros na conduta das políticas, ainda tem renda per capita maior que a do Brasil. A discrepância entre argentinos e brasileiros na educação é enorme e bastante responsável por nosso atraso.

Comentários

Renato Lauris disse…
Excelente assunto Thomas!
Uma pergunta, não sei se tu estarias disposto a abordar e emitir opinião: tu és a favor de mensalidade em universidades "públicas" (que de públicas não tem nada)? Assim não seria possível inverter em parte a prioridade em direção ao ensino fundamental?
abração!
Renato Lauris
Humberto disse…
primeiramente a universidade não é gratuita para alunos que vem do interior e precisam pagar aluguel.

Um estudo interessante de Simon Schwarzman, que considerou todo o universo de alunos do ensino superior, mostrou que no quintil de alunos mais ricos do sistema, predominam aqueles que estão nos cursos particulares de medicina. Não sem surpresa, haja vista aquelas mensalidades.
Já no quintil dos alunos mais pobres, a maioria era dos cursos noturnos de universidades públicas.

Tais alunos de baixa renda após enfretarem o vestibular sujeitam-se a outra seleção concorridissima, que é por uma vaga nas moradias estudantis dentro do campus. Tais moradias subsidiadas poderiam ser ampliadas e permitir que mais alunos carentes possam vir para a capital para estudar, sem arcar com os valores impeditivos dos aluguéis paulistas. Este é um valoroso ensejo para a cobrança de mensalidades, revertidas diretamente em apliações de incentivos sociais que permitam reter alunos carentes nas universidades públicas. Mas cuidando para não incorrer em valores tais que expulsem a classe média da universidade pública.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…