Pular para o conteúdo principal

Professor Kang?

Faz parte da vida do mestrando uma experiência como monitor em alguma cadeira da graduação. Os cursos de pós-graduação strictu sensu geralmente requerem que o aluno seja assistente de algum professor. Fui monitor oficialmente de Formação Econômica e Social do Brasil II, mas não havia muito a ser feito. Substitui nesse semestre o monitor de Microeconomia II. Semestre que vem, estou escalado para ser o monitor de Econometria I.

Nesse semestre, ser monitor de Microeconomia II foi muito gratificante. De fato, corrigir provas e fazer gabaritos de listas dá muito trabalho. E a percepção do alto custo é mais forte ainda quando se sente que a dissertação está sendo deixada de lado. Por outro lado, estar em sala de aula e interagir com os alunos é legal, mesmo quando não se tem grande afinidade com a matéria, como é o meu caso. Apesar de meu subdesenvolvido raciocínio microeconômico, os alunos parecem não ter problemas comigo e inclusive gostam da monitoria, uma vez que eu e o outro monitor, o Wander, preparamos a monitoria do jeito que podemos.

Inclusive surpreendi os alunos quando disse-lhes que minha área de pesquisa era em história econômica. Particularmente na FEA-USP, onde a visão que os alunos têm de história econômica é bastante associada ao estudo detalhista da escravidão em certas regiões, eles parecem às vezes não acreditar que existem outras formas de se fazer história econômica. Não conseguem conceber que um historiador econômico possa achar microeconomia um assunto importante, embora não seja de fato sua matéria predileta.

Recentemente, o prof. Abramovay, que é responsável pela disciplina de Introdução às Ciências Sociais, pediu-me que eu apresentasse as idéias de Amartya Sen para seus alunos, a maioria do primeiro ano da graduação. Embora eu tenha tentado traduzir vários conceitos de Sen de forma simples, acredito que foi uma aula com excesso de informação para eles. Pelo menos tentei interagir com a turma e eles participaram. Claro que não entenderam bem a crítica de Sen à economia do bem-estar, nem a idéia de capacitações. Mas poucos economistas sabem desses assuntos mesmo. Pelo menos, falei de algo que sei. Obviamente sinto-me muito melhor assim e espero ter incitado pelo menos a curiosidade de alguns para o campo do desenvolvimento humano.

De qualquer forma, as duas experiências são e foram boas, apesar do problema do tempo para preparar, corrigir, etc. A única recomendação para futuros monitores é que preparem as aulas. Minha monitoria pode não ser fantástica, mas os alunos parecem reclamar que tiveram monitores em outras matérias que não se preocupavam em preparar as coisas. Um simples preparo de 1h pode ser toda diferença para esses alunos, além é claro de uma certa clareza para passar as informações.

Comentários

É. Dar aulas é legal, mesmo. Na UFRGS, comecei dando monitoria de Eco. Brasileira Contemporânea I, e acabei substituindo a Maria Aparecida quando ela não podia comparecer às aulas. Boa sorte na tua nova experiência profissional-acadêmica!!!

Mas tu tá dando monitoria de Micro para a graduação, não é?

Abraço
Joao Melo disse…
Thomas, pena que daqui do interior da selva eu não possa compartilhar desta vontade de estar na sala de aula com alunos. É um aprendizado gratificamente. Boa sorte para você, Abraço, João Melo
Caio Machado disse…
Thomas,

Você será monitor do Denisard, da Fabiana ou do Rangel?

Abs
Caio
guto howe disse…
Fala Thomas...
Olha o Howe aqui...

cara, voce saberia me indicar algum livro de micro que fosse bom para concursos publicos, ou entao autores.

Nesse, caso essa seria sua monitoria para mim.

Agradeco... rsrss

G.Howe
Thomas H. Kang disse…
Respondendo a todos:
livro de micro pra concursos publicos... sinceramente nao sei. soh sei os que eu estudei na graduacao. Varian e Pindyck & Rubinfeld.

quanto a monitoria, em principio da fabiana.

Thomas

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…