Pular para o conteúdo principal

O que mudou com o mestrado?

Estamos em vias de conferir a divulgação da classificação do exame da ANPEC, que vai definir o rumo de muita gente nos mestrados em economia. Na terça-feira que vem, a USP deve reunir os possíveis futuros alunos, assim como farão também alguns outros centros. Todos vão vir com aquelas expectativas de sempre, com milhares de dúvidas e sem saber o que se espera deles.

O mestrado é um curso importante, embora possamos ter muitas reclamações. Sempre temos aquela maneira de olhar para o passado imaginando um contrafactual do tipo: "aquilo lá poderia ter sido melhor". De fato, o curso não é perfeito. Mas o mestrado aqui na USP, e também em outros lugares de qualidade, certamente permite um avanço enorme no conhecimento. Às vezes, não aprendemos tanto com as disciplinas na hora que as cursamos. Lemos e estudamos para as provas usando livros de difícil compreensão em uma linguagem com a qual não estamos nem um pouco acostumados. No entanto, sente-se a diferença na leitura posterior de livros de graduação, que após dois anos de sofrimento tornam-se leituras de cabeceira como se fossem histórias em quadrinhos ou Harry Potter (com todo respeito aos fãs do jovem mago, representados também na pós-graduação aqui da FEA-USP).

Livros como Varian ou Gujarati, que antes tinham algumas (ou muitas, dependendo do aluno) partes obscuras (confesso que não entendia o Gujarati direito), parecem agora ser livros muito simples. É isso que permite que os alunos do segundo ano no mestrado consigam ser monitores de disciplinas da graduação com relativa facilidade.

É claro que ler as coisas do mestrado continua complicado. Estudo em nível de pós-graduação é um processo de aprendizado lento e às vezes sofrido, mas que é muitas vezes recompensador. De fato, mudar-se, sair de casa e abandonar amigos e amores são custos altos. No entanto, não é em vão. Acredito que a FEA-USP foi uma boa opção, conquanto possamos sempre ter reclamações. Há desorganizações, há situações que achamos injustas. Mas no final das contas, creio que tive um bom curso.

Comentários

Enoch Filho disse…
Thomas, as mudanças de paradigma entre os conhecimentos adquiridos na graduação, mestrado e doutorado devem ser enormes mesmo! Não vejo a hora de fazer essa transição.

Tô passando por aqui pra convidar os teus leitores que fizeram o exame para compartilharem informações sobre o resultado preenchendo um formulário para alimentar uma planilha colaborativa.
Joao Melo disse…
Thomas, legal seu post. Na graduação um Professor já tinha comentado na classe como é bom reler depois dos traumas que temos. Abração, João, direto da selva.
Pedro disse…
Você está satisfeito com o curso da FEA ou acha que teria aprendido mais e melhor em algum outro mestrado do país? Estou em dúvida entre qual prestas com mais foco ano que vem.
Thomas H. Kang disse…
Pedro,

Eu pessoalmente acho que em termos relativos a FEA é a melhor opção, dado meu interesse em ter uma sólida formação em teoria econômica e ao mesmo tempo em questões de desenvolvimento, história e instituições.

Depende da sua área de interesse.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…