Páginas

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

O que mudou com o mestrado?

Estamos em vias de conferir a divulgação da classificação do exame da ANPEC, que vai definir o rumo de muita gente nos mestrados em economia. Na terça-feira que vem, a USP deve reunir os possíveis futuros alunos, assim como farão também alguns outros centros. Todos vão vir com aquelas expectativas de sempre, com milhares de dúvidas e sem saber o que se espera deles.

O mestrado é um curso importante, embora possamos ter muitas reclamações. Sempre temos aquela maneira de olhar para o passado imaginando um contrafactual do tipo: "aquilo lá poderia ter sido melhor". De fato, o curso não é perfeito. Mas o mestrado aqui na USP, e também em outros lugares de qualidade, certamente permite um avanço enorme no conhecimento. Às vezes, não aprendemos tanto com as disciplinas na hora que as cursamos. Lemos e estudamos para as provas usando livros de difícil compreensão em uma linguagem com a qual não estamos nem um pouco acostumados. No entanto, sente-se a diferença na leitura posterior de livros de graduação, que após dois anos de sofrimento tornam-se leituras de cabeceira como se fossem histórias em quadrinhos ou Harry Potter (com todo respeito aos fãs do jovem mago, representados também na pós-graduação aqui da FEA-USP).

Livros como Varian ou Gujarati, que antes tinham algumas (ou muitas, dependendo do aluno) partes obscuras (confesso que não entendia o Gujarati direito), parecem agora ser livros muito simples. É isso que permite que os alunos do segundo ano no mestrado consigam ser monitores de disciplinas da graduação com relativa facilidade.

É claro que ler as coisas do mestrado continua complicado. Estudo em nível de pós-graduação é um processo de aprendizado lento e às vezes sofrido, mas que é muitas vezes recompensador. De fato, mudar-se, sair de casa e abandonar amigos e amores são custos altos. No entanto, não é em vão. Acredito que a FEA-USP foi uma boa opção, conquanto possamos sempre ter reclamações. Há desorganizações, há situações que achamos injustas. Mas no final das contas, creio que tive um bom curso.

4 comentários:

Enoch Filho disse...

Thomas, as mudanças de paradigma entre os conhecimentos adquiridos na graduação, mestrado e doutorado devem ser enormes mesmo! Não vejo a hora de fazer essa transição.

Tô passando por aqui pra convidar os teus leitores que fizeram o exame para compartilharem informações sobre o resultado preenchendo um formulário para alimentar uma planilha colaborativa.

Joao Melo disse...

Thomas, legal seu post. Na graduação um Professor já tinha comentado na classe como é bom reler depois dos traumas que temos. Abração, João, direto da selva.

Pedro disse...

Você está satisfeito com o curso da FEA ou acha que teria aprendido mais e melhor em algum outro mestrado do país? Estou em dúvida entre qual prestas com mais foco ano que vem.

Thomas H. Kang disse...

Pedro,

Eu pessoalmente acho que em termos relativos a FEA é a melhor opção, dado meu interesse em ter uma sólida formação em teoria econômica e ao mesmo tempo em questões de desenvolvimento, história e instituições.

Depende da sua área de interesse.