Pular para o conteúdo principal

Sobre o mestrado

Estou há cerca de um ano e meio em São Paulo devido a meus estudos em nível de mestrado na FEA-USP. Recentemente, um visitante deste blog questionou-me acerca das possibilidades que a USP oferece para um doutorado no exterior. Além disso, perguntou-me se tive um bom curso. Aí vai a minha resposta.

O doutorado no exterior é cada vez menos incentivado pela política governamental. Segundo tenho ouvido, as verbas destinadas a bolsas integrais de doutorado fora tem diminuído como fruto da constatação de que os doutorados nacionais estão fortes o suficiente. Tenho visto muitos cartazes sobre bolsas-sanduíches: aquelas que financiam o estudante que faz o doutorado no Brasil durante um período fora em alguma universidade no exterior. Uma alternativa bem mais barata para o governo. Não obstante, ainda há gente sendo mandada ao exterior evidentemente e a FEA-USP tem excelentes professores que podem indicar pessoas ao PhD fora. Da turma anterior a minha, que não tem um perfil muito acadêmico (poucos tentaram o doutorado fora), uma foi mandada para Yale, outro para UMass. Da turma de dois anos atrás, sabemos pelo menos de um em Columbia e de outro indo pra LSE agora (não conheço os outros). Ademais, acredito que a FEA-USP tem boas cartas de recomendação para Yale, Chicago, LSE, UCLA e algumas outras pelo menos.

Quanto ao curso, minha turma teve um curso bom, apesar de que vi alguns problemas pequenos. Acredito que esses problemas foram sanados neste ano com a nova turma. Econometria é uma das áreas mais fortes, mas temos também times muito fortes em Macroeconomia, Microeconomia Aplicada e Economia Regional e Urbana. Para aqueles que desejam quem sabe ir para o exterior, a FEA-USP me parece ser uma boa alternativa, assim como PUC-Rio e EPGE. A PUC-Rio tem uma tradição forte em mandar gente pra fora, mas acho que, se alguém quiser e mostrar serviço, a FEA tem boas cartas. Não sei dizer se as escolas do Rio estão mais fortes ou não nisso, é preciso ver com quem estuda lá.

A vantagem da USP continua sendo seu corpo de professores mais plural e diversificado em relação a áreas de estudo. Praticamente todos os campos têm gente muito boa para orientar, sejam eles da geração antiga ou dos "novos doutores", sejam eles das alas heterodoxas ou dos ortodoxos (que predominam).

Aqueles que quiserem mais detalhes, sintam-se a vontade para comentar ou até me mandar um e-mail. É só dar uma olhada no meu perfil. De qualquer forma, mantenham IPE-FEA-USP entre suas opções pra ANPEC e ponderem com calma se conseguirem passar entre os primeiros.

Comentários

"Para aqueles que desejam quem sabe ir para o exterior, a FEA-USP não me parece ser uma boa alternativa, assim como PUC-Rio e EPGE."

Não entendi essa frase...

Semana passada, recebi um convite informal para ingressar no doutorado do Cedeplar. Mas não estou muito inclinado a isso, já fiz todas as matérias que queria fazer aqui. Mas o doutorado da USP, com sanduíche no exterior, me parece uma alternativa mais atraente.

Abraço
Thomas H. Kang disse…
Nem eu, Ricardo!
Valeu, já foi corrigido. Omiti o "não". Deve ter sido meu inconsciente, haehae.
Anônimo disse…
Ola Thomas!

Acho o seu blog muito interessante e muito bem escrito. Li um antigo texto seu sobre a neutralidade axiológica que impressionou-me bastante pela forma de exposição das ideias e pelo modo como está escrita. Vejo que gosta envolver a sociolgia com a economia, a meu ver inseparáveis, e isso torna os seus textos muito interessantes.

Good work
Henrique disse…
Caro Thomas,

Você tem idéia de qual deve ser a média para que alguém consiga passar entre os primeiros na FEA-USP?
obrigado por esta publicação!!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…