Páginas

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Resposta ao Diego: ética e crenças

Diego Rodrigues falou de seu posicionamento favorável acerca das pesquisas com células-tronco embrionárias. Se pudéssemos votar nessa questão, nossos votos coincidiriam. No entanto, Diego disse coisas com as quais discordo profundamente e achei que valeria a pena postar meu comentário por aqui também. Quem quiser entender a discussão, leia o texto dele e leia a minha resposta abaixo:

Diego, vou ter que discordar profundamente de ti em algumas questões. Até agora, tenho sido a favor das pesquisas, embora considerando que a decisão não é simples.

No entanto, a forma que tu atacou o pensamento religioso não faz muito sentido quando tu quer falar sobre ética. Ética tem a ver necessariamente com nossas concepções de mundo, sejam elas religiosas ou não. Podemos atribui-las a Deus, a filósofos ou a quem quer que seja.

Tu dizes que "o ético não pode ser confundido com a crença, com a bíblia, com os valores e ideologias que sustentam concepções de mundo e de vida". Mas o ético trata justamente de valores e de crenças: é nisso que consiste a ética. Se as pessoas baseiam seus valores na Bíblia, em Nietzsche ou em Marx não interessa. Elas têm o direito de defender suas posições. Tu pode perfeitamente discordar das concepções católico-romanas (como eu também discordo muitas vezes), mas nem por isso vou dizer que basear concepções éticas na religião é algo proibido pelo simples fato de que tal proibição não faz o menor sentido.

Deixando bem claro: uma coisa é discordância de crenças ou concepções de mundo (sejam elas seculares ou religiosas). O que tu disse ali em cima não foi isso. Tu disse que o ético não pode ser confundido com o religioso. Mas isso é absurdo pra alguém que professa alguma religião, uma vez que suas concepções estão necessariamente ligadas à religião. E mais, muitas (ou quase todas) das tuas próprias concepções éticas, uma vez que tu vive na sociedade brasileira, provêm da religião - principalmente da católico-romana.

Ora, se os católicos são contra as pesquisas com células-tronco embrionárias, eles que sejam. Discorde deles à vontade. O que caracteriza a sociedade democrática é a tolerância, não o sepultamento das idéias ditas conservadoras ou coisa parecida. Bem, os conservadores são moralmente contra a homossexualidade. Eles podem ser, desde que sejam tolerantes. Eu não concordo com várias atitudes, nem por isso acho que as pessoas que as tomam devam ser desprezadas. na verdade, muito pelo contrário.

Abraços,
Thomas

Um comentário:

Diego da Silva Rodrigues disse...

A resposta que dei lá, se possível, gostaria de expressar aqui. Diz ela:


"Thomas;

Sabia que teu comentário, se viesse, seria nesse sentido. Até estranhei a demora... E mexi no vespeiro de propósito, pois li tanto o teu texto como o do Stein, que me recomendaste.

Tua opinião é legítima e muito bem embasada, como sempre.

Três curtos comentários somente:

"... nem por isso vou dizer que basear concepções éticas na religião é algo proibido."
Nem eu.

"E mais, muitas (ou quase todas) das tuas próprias concepções éticas, uma vez que tu vive na sociedade brasileira, provêm da religião - principalmente da católica."
Concordo plenamente! Sempre disse isso: No Brasil, a religião, particularmente a católica, está tão inserida no nosso dia-a-dia que nem a percebemos. Isso se reflete nos nossos hábitos e, também, nas nossas concepções de certo e errado - o que interfere invariavelmente na forma como conduzimos as coisas no nosso país. É isso, e toda a estrutura de conservadorismo que cria - impedindo mudanças importantes na nossa sociedade - que critico incondicionalmente.

"Ora, se os católicos são contra, eles que sejam. Discorde deles à vontade. O que caracteriza a sociedade democrática é a tolerância, não o sepultamento das idéias ditas conservadoras ou coisa parecida. (...) Eu não concordo com várias atitudes, nem por isso acho que as pessoas que as tomam devam ser desprezadas. na verdade, muito pelo contrário."
Perfeito! A democracia vale para todos - até para mim!

Abraços recíprocos!"