Pular para o conteúdo principal

Rangel: inflação e Kondratiev

Enquanto escrevia minha monografia, foi possível perceber como o contexto mudou de cinqüenta anos para cá. Naquela época, o estruturalismo era dominante nos meios intelectuais brasileiros. Economistas como Ignácio Rangel eram muito conhecidos e citados. Recentemente, ganhei do Prof. Pedro Fonseca as obras completas desse cara, sem que eu saiba quase nada sobre o que ele escreveu. (Isso talvez explique o presente...).

Rangel era um heterodoxo entre os heterodoxos. Enquanto o debate estava entre estruturalismo e monetarismo, Rangel discordou dos dois lados, propondo sua própria teoria inflacionária. Embora aceitasse causas estruturais (endógenas) da inflação, contrariando a teoria quantitativa da moeda, Rangel rejeitava a inelasticidade da oferta agrícola como causa de inflação de demanda. Para o autor, a inflação de custos ocorria porque as empresas, ao se organizarem como oligopólios ou oligopsônios, tentavam defender seus lucros com a elevação de preços. A economia brasileira operava, segundo Rangel, com capacidade ociosa e insuficiência de demanda. Nesse contexto, a inflação, causando alta taxa de mobilização, evitava crises econômicas maiores.

Outra tese que Rangel defendia era a dos ciclos de Kondratiev, a qual eu sempre considerei como um cúmulo de "acientificidade", embora não soubesse muito a respeito. Penso eu, como tantas pessoas acreditam(avam) nessa tese no qual a cada 50 ou 60 anos o capitalismo estaria sujeito a crises? Isso até pode ter acontecido umas três vezes, mas como inferir disso uma lei? O necessitarismo histórico implícito na idéia de Kondratiev, considerado um gênio por Rangel, me parece tão demasiado quanto a tese marxista de que fatalmente chegaremos ao comunismo.
Ao sair da graduação, poucas vezes eu ouvira falar em inverter a TQM. Mas isso até é aceitável, dado que a teoria da inércia inflacionária também é chamada de neoestruturalista justamente por aceitar causas não-monetárias. No entanto, tanta gente que acreditava em Kondratiev... ou na aceleração do tempo e do espaço proposta por Arrighi... Não conheço muito sobre os temas, mas para mim são estranhos.

O que sei é que o ensino de economia mudou muito, o debate econômico mudou. A heterodoxia continua, mas muito menos radical que outrora. Alguns autores como Rangel parecem rumar para o esquecimento, embora ele tenha diversas contribuições além das citadas acima. Isso é bom? Não sei, não conheço Rangel direito. Mas sei que tenho que estudar mainstream: com isso, não estou sendo irônico, nem intransigente. É só uma constatação mais realista que ideológica de um novo mestrando em economia.

Comentários

João ( JP ) disse…
Como assim korea??? o Kondratiev errado??? Ahn esses economistas... É totalmente budista essa teoria!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…