Pular para o conteúdo principal

90% de aumento para parlamentares

Ontem, as duas mesas diretoras do Congresso aprovaram um reajuste de "apenas" 90,7% nos seus salários. Deputados e senadores terão seus salários equiparados com os dos ministros do STF, passando de R$ 12.847,20 para R$ 24.500,00. Isso significa também um aumento de 1,6 bilhão de reais nos gastos públicos, quando justamente o que precisamos é de déficits fiscais menores que permitam a baixa dos juros.

Um aumento desse tipo é completamente doentio do ponto de vista moral: parlamentares decidindo sobre um aumento absurdo de seus vencimentos justamente depois das eleições, enquanto a renda dos aposentados, devido ao problema fiscal da previdência, não acompanham as elevações do salário mínimo. Existe aposentado que deveria ganhar 8 salários minímos que recebe apenas cinco. Isso se compreende devido ao problema fiscal, dizem alguns. Mas como entender então um reajuste de 90% de corruptos deputados e senadores, muitos dos quais estiveram recentemente envolvidos em escândalos como o mensalão? Ademais, parlamentares recebem diversos "auxílios" adicionais, de forma que seus vencimentos brutos pouco diferem dos líquidos devido a esses benefícios que recebem também às custas do Estado para trabalharem três dias por semana.

O serviço que os parlamentares prestam ao país é vergonhoso. Devemos protestar de alguma forma contra essa barbaridade. Quando lembramos então que o Estado é financiado principalmente por impostos regressivos, os quais oneram principalmente as camadas mais pobres, este assalto ao Estado torna-se uma forma de corrupção legalizada mais grave ainda.

Aí vão os nomes dos líderes parlamentares que votaram a favor. A decisão não foi para a plenária, foi decidida pelas mesas diretoras. Ao menos, o PPS entrou com ação de inconstitucionalidade no STF contra o reajuste: talvez não por motivos nobres, mas já é válido.

Votaram a favor:
Aldo Rebelo (PC do B-SP); Renan Calheiros (PMDB-AL); Ciro Nogueira (PP-PI); Jorge Alberto (PMDB-SE); Luciano Castro (PL-RR); José Múcio (PTB-PE); Wilson Santiago (PMDB-PB); Miro Teixeira (PDT-RJ); Sandra Rosado (PSB-RN); Coubert Martins (PPS-BA); Bismarck Maia (PSDB-CE); Rodrigo Maia (PFL-RJ); José Carlos Aleluia (PFL-BA); Sandro Mabel (PL-GO)Givaldo Carimbão (PSB-AL); Arlindo Chinaglia (PT-SP); Inácio Arruda (PC do B-CE); Carlos Willian (PTC-MG); Mário Heringer (PDT-MG); Inocêncio Oliveira (PL-PE); Demóstenes Torres (PFL-GO); Efraim Moraes (PFL-PB); Tião Viana (PT-AC); Ney Suassuna (PMDB-PB); Benedito de Lira (PL-AL); Ideli Salvatti (PT-SC).


Votaram contra Henrique Fontana (PT-RS), Chico Alencar (PSOL-RJ) e Heloísa Helena (PSOL-AL).

Veja mais em:

Comentários

renato lauris disse…
tem mais essa notícia pra ser mais absurda ainda:
http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI1304476-EI306,00.html

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…