Pular para o conteúdo principal

Será que Zizek considerou seriamente o liberalismo igualitário?

Talvez haja um ponto no recente texto de Slavoj Zizek comentando os ataques a Charlie Hebdo e o fundamentalismo islâmico. Há talvez uma série de questionamentos quanto à sua interpretação psicanalítica acerca do fundamentalismo (devo essa ideia ao Felipe Pimentel) e, certamente, também há aqueles que veem no texto prescrições contrárias ao liberalismo político. De qualquer maneira, talvez exista algum fundamento no seu diagnóstico sobre a insuficiência das democracias liberais em trazer paz e justiça (se considerarmos que elas andam juntas e são desejáveis).

De acordo com Zizek (pelo menos em minha interpretação e com o perdão para a incapacidade de meu teclado em acentuar corretamente nomes eslavos), a democracia liberal não consegue resolver os problemas distributivos. Acredito que esse diagnóstico esteja correto no que se refere a condições suficientes. No entanto, acho que a democracia liberal é uma condição necessária, mas não suficiente, para um mundo com menos opressivo (que seria um mundo melhor, mas longe do ideal idílico desejado por muitos). Evidentemente, um bom debate são as restrições culturais, uma vez que a democracia liberal é mais associada à cultura ocidental, ainda que o indiano Amartya Sen tenha praticamente me convencido acerca da importância das ideias democráticas no pensamento asiático. Nesse debate, em que novamente esquerda e direita se dividem de maneira tribal, talvez John Rawls e outros liberais igualitários já tenham fundamentado uma teoria que valoriza tanto a democracia liberal quanto as demandas por maior igualdade distributiva. Infelizmente, tais proposições parecem sempre estar à margem do debate, mesmo quando propõem liberalismo igualitário em nível global (ver Thomas Pogge ou Amartya Sen sobre o tema).

Portanto, mesmo reconhecendo alguma dose de razão em Zizek em termos de diagnóstico, muitas prescrições ou soluções para o problema poderiam ser defendidas. Médicos diferentes concordam muitas vezes no diagnóstico de certa enfermidade, embora recomendem diferentes remédios. Nesse sentido, acredito que o liberalismo igualitário tenha respostas mais adequadas às demandas por liberdade, igualdade e fraternidade (nesse choque aparentemente "civilizacional", essa última parece ser importante).

Ainda assim, resta saber se os pontos tocados por Zizek não dependem demais de seu pressuposto psicanalítico, envolvendo insegurança, sentimento de ameaça e comportamento de grupo. Talvez isso seja tarefa para antropólogos - não devo ir além disso nesse texto.

Comentários

Veja só.
Você lembra do tempo do comunismo quando faziam crítica ao totalitarismo soviético pedindo uma espécie de "socialismo com face humana"?
Você acaba de cometer o mesmo erro pedindo um "capitalismo com face humana".
Veja. Hitler também ajudou os pobres, fez distribuição de renda, o nível de vida dos trabalhadores aumentou.
E está aqui você cometendo o mesmo erro de pedir uma coisa tão insuficiente que é a tal da distribuição de renda. Dane-se: o nazismo fez isto!
Acho que está faltando aí nesta equação de igualdade e liberdade e democracia, a crítica pela superação do capital global.
Thomas H. Kang disse…
Olá Denes,
O nazismo é a antípoda do liberalismo político, não tem a ver com o que escrevi. Entendo que existem diversas restrições morais ao capitalismo que são justificáveis - principalmente no que se refere ao poder dos mais ricos no processo político.
A defesa do liberalismo --político-- e do aprofundamento das instituições democráticas pode inclusive ajudar a combater tanto os abusos de poder político (strictu sensu) quanto do poder econômico.
sexismoemisoginiablog disse…
Bem eu concordo com Zizek. As democracias liberais, vide os Estados Unidos são cada vez menos liberais e menos democracias, vota-se regularmente, vota-se 'livremente', há mais do que um partido, etc tec, mas quem manda realmente, quem 'compra' as eleições são os ricos, aquilo é uma autentica plutocracia. Rawls e outros autores cheio de boa vontade é certo,julgam que é possível reformar o sistema por dentro mas não atacam os problemas de fundo e estes tem a ver com um mínimo de igualdade social e econômica básica.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

Exogeneidade em séries de tempo

Mais um texto de quem tem prova de econometria na segunda-feira. Quem não é economista não deve de forma alguma ler esse texto. Não digam que eu não avisei.

Quando falamos de exogeneidade na econometria clássica, estamos falando da chamada exogeneidade "estrita", que nada mais consiste no fato de uma variável x não ser correlacionada com qualquer erro. Nas séries de tempo, no entanto, trabalha-se com três tipos de exogeneidade, dependendo do fim proposto.

Na busca de resultados em inferência estatística (modos de estimar parâmetros e formulação de testes de hipótese), utiliza-se, em séries de tempo, o conceito de exogeneidade fraca. Para isso, precisamos 'fatorar a função de distribuição em duas partes: distribuição condicional e distribuição marginal . Define-se que uma variável é fracamente exógena em relação aos parâmetros de interesse se, e somente se, houver um certo tipo de reparametrização e atender duas condições: a variável de interesse precisa ser função de apena…