Pular para o conteúdo principal

Protecionismo acadêmico


Meu amigo Thales chamou atenção para a seguinte reportagem da Veja (não é uma reportagem polêmica da Veja, calma...): segundo a revista, a Universidade de São Paulo (USP) pretende abrir escritórios em Londres, Boston e Cingapura. A ideia é facilitar o intercâmbio acadêmico, tanto de alunos quanto professores.

Acredito que a ideia é correta, mesmo que devamos pensar nos custos incorridos. Mesmo que os custos sejam altos, acredito que o contato com o exterior, mais do que proporcionar agradáveis viagens a alunos e professores, é fundamental para termos pesquisa de ponta no Brasil. Evidentemente, pesquisa de ponta depende de recursos, mas uma forma de reduzirmos o gap na liderança científica é estarmos em contato com o exterior.

Em particular na economia (e nas ciências sociais em geral), o intercâmbio com o exterior é ainda mais necessário. Por décadas tivemos uma academia que, voltada para si mesma, pouco inovava - ou, se inovava, ignorava o que o resto do mundo fazia. Em parte, até barreiras linguísticas foram problemas - parte da academia brasileira nem ao menos tem fluência no inglês. Acompanhar a literatura na fronteira então fica fora de questão, à exceção de alguns poucos que puderam estudar no exterior ou lutaram contra as estruturas.

Se isso era reflexo do alto grau de fechamento da economia brasileira, ainda é uma tese a ser desenvolvida. Assim como na nossa economia era possível termos uma indústria voltada para o mercado interno, era possível na nossa academia publicar artigos e livros apenas para o público brasileiro aproveitando-se das economias de escala de termos um país populoso. Também como na nossa economia, o contato restrito com o exterior impedia inovações de ponta, aproveitando pouco as externalidades de conhecimento  que possibilitariam avanços maiores. Pessoas muito inteligentes talvez tenham deixado de fazer maiores contribuições à literatura por conta dessa estrutura que dava poucos incentivos.

Esta é apenas uma reflexão aparentemente não-testável, mas não é um discurso anti-protecionismo e diminuidora de nossa capacidade intelectual. Meu posicionamento, assim como o de muitos estudos, é de que a economia brasileira era fechada demais. Talvez ainda seja. E assim como nossa economia, a academia brasileira certamente ainda é fechada demais. Isso nada tem a ver com ortodoxia ou heterodoxia. Enquanto não tivermos perspectivas qualificadas de fora do nosso meio, seja de outras formas de pensamento ou outros países e culturas, é impensável avançarmos cientificamente como um todo. O pensamento torna-se viciado e redundante, cria-se uma seita cujas contribuições tornam-se limitadas. Sen mostrou isso muito bem nesse texto, em que ele comenta o avanço da matemática e a relação entre indianos, árabes e europeus. 

Por todos esses motivos, elogio a iniciativa da USP em estreitar relações com o exterior. Acho que isso inclusive valoriza meu diploma. 

Comentários

Humberto disse…
O Sen viajou. Os algarismos não foram contribuições árabes, mas sim persas. Foi um iraniano chamado Kwarizmi (ou al-kuarism, em árabe) quem concebeu o sistema de algarismos usado até hj. Se quisermos ser rigorosos, deveríamos dizer algarismos indo-iranianos
. Mas como a obra de Kwarizmi chegou na Europa escrita em árabe, ficou esse negócio de falar "algarismos arábicos"

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…