Pular para o conteúdo principal

Sobrevivendo ao congresso

Kruiskerk, local das palestras principais
Estive em silêncio durante minha estadia em Stellenbosch. Voltamos do XVI World Economic History Congress na cidade sul-africana próxima à Cape Town. O frio era muito semelhante ao de Porto Alegre, até porque exatamente como aqui, não havia calefação. A diferença é que as cidades do Western Cape são muito bonitas. Praias e montanhas fazem parte da paisagem da região, além das cidades serem bem mais organizadas que as brasileiras - pelo menos nas partes centrais.

Como esperado, recebi comentários interessantes em relação aos papers, tanto elogiosos quanto críticos. No primeiro dia, apresentei meu paper sobre educação no Brasil entre 1947 e 1962. Não mudei muito o que apresentei em relação à Tübingen em 2010. Talvez até por isso, o Peter Lindert (UC Davis) tenha feito uma forte crítica em relação a alguns detalhes econométricos: ele acha que a utilização de efeitos fixos nas minhas regressões está modificando os resultados que ele esperaria. Fiquei feliz por não ser o único: parece que o Lindert deu pancadas em todo mundo na outra seção sobre desigualdade. De qualquer maneira, não achei a crítica válida na hora porque acredito ter variabilidade suficiente na minha variável explicativa. Ao tomar cerveja com os demais colegas de sessão, confirmei o que pensava com os demais. Felizmente, Jeff Williamson (Harvard), que assistia a sessão, ficou quieto. Só comentou comigo no dia seguinte sobre o que Lindert dissera. Numa boa.

No último dia, apresentei o paper sobre Cuba (ou "o que teria acontecido com o PIB cubano se não tivesse havido Revolução"), que escrevi em coautoria com Felipe Garcia e Guilherme Stein. Eu podia ver nos rostos de alguns que ao menos a metodologia (controle sintético) que utilizamos lhes parecia divertida. Nos comentários, Alexander Moradi (U. Sussex) disse não acreditar muito na metodologia e que precisava saber o que essa metodologia adicionava, mas a famosa Deirdre McCloskey gostou do paper - principalmente por explicitar um contrafactual. Foi o que ela comentou pessoalmente comigo. De qualquer forma, foi uma experiência interessante.

Thomas, Felipe, Alexandre e Svante (nosso sueco brasileiro)


 A experiência de congressos acadêmicos como esse é importante. É muito comum vermos os alunos muito nervosos quando desafiados em suas bancas de artigo, TCC, dissertação ou mesmo tese. Mas é para isso que servem congressos e bancas. Comentários e críticas é o que precisamos, por mais que precisemos de outros incentivos (talvez praias, lugares aprazíveis, etc) para ir a congressos. Com meus colegas Fábio Pesavento, Felipe Loureiro e Alexandre Saes (os três aí embaixo), parece que tudo deu certo também.Também devemos reconhecer a participação de nosso amigo Svante Prado, sueco casado com uma brasileira que estava sempre conosco nas cervejas e vinhos.

Fábio, Felipe e Alexandre - delegação brasileira no aeroporto de Johannesburg






Comentários

Drunkeynesian disse…
Moral ganhar elogio da dona McCloskey. Parabéns, Thomas!
Pedro Américo disse…
É sempre muito bom ler sobre as suas experiências acadêmicas aqui... Parabéns!!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…