Páginas

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Artigo no BIF

Coincidentemente, o Boletim de Informações da FIPE do mês de abril foi lançado hoje, meu aniversário de um quarto de século, com o meu primeiro artigo sobre a educação entre 1930 e 1964. Esse artigo consiste em um resumo do capítulo 3 da minha dissertação de mestrado em apenas 6 páginas. Quem quiser ler, bom proveito. Críticas são bem-vindas.

3 comentários:

Thales disse...

Opa. Apareci para ver o blog no dia certo. Parabéns pelo aniversário e pelo artigo. Nos encontramos pelos corredores do ppge.

JOÃO MELO disse...

Duplo Parabéns Thomas e muito sucesso.
Abraço,João Melo, direto da selva!

Petterson disse...

Thomas, acabo de ler o seu artigo no boletim, e achei muito interessante. Parabéns.

Fiz uma rápida busca no google pela sua dissertação, mas não encontrei, e achei mais fácil te pedir por e-mail. Será que você me enviar? pettersonvale@hotmail.com

Antes mesmo de ler tudo, no entanto, queria pedir a sua opinião no seguinte.

Eu estou morando na Argentina, e tratei de me informar sobre a história daqui, que me surpreendeu muito no sentido positivo, e que me deixou seguro de que trata-se de um país absolutamente diferente do Brasil. Aprendi, entre outras coisas, que o país tem uma tradição de intelectuais republicanos e progressistas muito mais fecunda do que aquela que (até onde conheço) teve o Brasil. Os "heróis de maio", responsáveis intelectuais e operacionais pelas movimentações que levaram à independência e à unificação, tinham desde cedo algo bem claro: é preciso universalizar um padrão avançado de educação. E desde cedo significa a primeira metade do Sec. 19.

Também, pudera: a Universidade de Cordoba é de 1616, e a de Buenos Aires, de 1821!

Isso me levou a concluir que uma das diferenças fundamentais entre esses países é que a elite na Argentina foi e é civilizadora (das massas). A elite no Brasil foi e é centrada no próprio umbigo. E mais: penso que isso tem a ver com o fato de a estrutura da sociedade brasileira ter se formado num período de escravidão e patriarcalismo, enquanto a estrutura da sociedade argentina se formou de fato somente no Século 19, com base nas muito mais adiantadas idéias republicanas dos imigrantes italianos (com a possível excessão das províncias do Norte, que, coincidentemente, são bem mais atrasadas).

Sei que na dissertação você não divagou a esse ponto, mas você acha que uma interpretação desse tipo é cabível (para o caso do Brasil)?

Obrigado!