Pular para o conteúdo principal

Rawls e religião


Passeando pela rede, deparei-me com escritos sobre a relação entre o filósofo John Rawls e a religião. Um excelente artigo sobre o tema, de autoria de dois filósofos muito conhecidos, Joshua Cohen e Thomas Nagel, mostra que algumas das concepções de Rawls são originadas de seu passado religioso. Segundo o artigo:


he [Rawls] “became deeply concerned with theology and its doctrines”, and considered attending a seminary to study for the Episcopal priesthood. But he decided to enlist in the army instead, “as so many of my friends and classmates were doing”. By June of 1945, he had abandoned his orthodox Christian beliefs.



Muito do que Rawls pensou posteriormente tem ligação com seus pensamentos cristãos na juventude. A sua rejeição do mérito como requisito de justiça tem certamente origem na idéia de graça, tão defendida por Paulo, Agostinho e Lutero. É provável que daí também se origine o igualitarismo de Rawls:



“There is no merit before God. Nor should there be merit before Him. True community does not count the merits of its members. Merit is a concept rooted in sin, and well disposed of”. This claim is theological, associated with an interpretation of divine grace.



Um outro ponto é sua rejeição a concepções de justiça baseadas puramente nos fins, ignorando os meios para se chegar nesses fins desejados. Perfeccionismo e utilitarismo, bastante criticados no seu famoso A Theory of Justice (1971), são exemplos de consequencialismo extremo do tipo. Isso teria relação com a concepção religiosa de Rawls, em que o relacionamento com Deus na religião (sujeito) é essencial, ao invés de uma concepção que torna Deus um objeto.



[Rawls'] thesis criticizes the infection of Christianity, through Augustine and Aquinas, by the ethical conceptions of Plato and Aristotle, according to which ethics is concerned not with interpersonal relations but with the pursuit of the good by each individual separately. In its hellenized form, Christianity treats God as the supreme object of desire. Rawls objects that this misses “the spiritual and personal element which forms the deep inner core of the universe”.



Foi para mim uma descoberta bem interessante. Embora Rawls tenha abandonado a ortodoxia cristã após a II Guerra, é curioso que eu poderia concordar hoje com o pensamento do jovem Rawls. De qualquer forma, vale a pena ler o artigo.

Comentários

Anaximandros disse…
Thomas, ha um aspecto ainda mais profundo dessa influência, o contratualismo e o idealismo da visao de justica em Rawls, aspectos, alias, que limitam sobremaneira a objetividade de saus propostas, na contramao, em parte, da visao de sen, em todo caso, parabéns, belo blog. abraços e um ano novo feliz,s.
Thomas H. Kang disse…
é verdade. De fato, as idéias de Sen são bem mais pragmáticas, embora a argumentação filosófica de Rawls seja mais completa, mas bem mais idealista. Possivelmente influência cristã mesmo.

Obrigado e feliz ano novo. Nos vemos nos corredores da UFRGS!
cara... pra mim é um achado este artigo que tu estás apresentando. Tenho gasto tempo ultimamente em verificar como fazer uma interface entre Rawls e a teologia luterana. Só via possibilidades através da influencia kantiana em Rawls, porém agora posso procurar algo a mais... isto é bem interessante!
Valeu!! Abençoado 2010 pra vc caro amigo!
Li disse…
Olá

Não consegui abrir o artigo. Onde poderia ter acesso? Se tiver em seus arquivos poderia enviar por email, por favor? elainefnd@hotmail.com

Estou estudando esta interace de Rawls e a religião.

valeu!

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…