Pular para o conteúdo principal

U2, Tolerância e Relativização

Ontem fui assistir o show U2 3D, utilizando a nova tecnologia de projeção que permite que vejamos as cenas como se tivessem profundidade, ou seja, três dimensões. Não obstante a novidade e a utilidade desta nova tecnologia (recomendo fortemente que vocês vejam um filme nos cinemas com essa tecnologia), vou tratar de outro assunto aqui. Um assunto diretamente relacionado so show do U2, uma banda que tem muito de suas letras e atitudes inspiradas em sua fé cristã.

Um conceito que ficou muito famoso nos shows do U2 é a idéia de coexistência: não importa em que acreditamos, devemos coexistir com os demais. Em resposta às guerras e conflitos religiosos, principalmente entre as grandes religiões monoteístas, todas relacionadas ao patriarca Abraão, o U2 tenta mostrar nos shows o quão estúpidos são esses conflitos. Sendo cristãos, eles enfatizam que cristãos, judeus e muçulmanos são filhos de Abraão e que essas brigas não faze sentido algum. Mais do que isso, em um momento do show, Bono relativiza o conceito de verdade dizendo que todas essas religiões são verdadeiras.

A história do U2 é fortemente ligada a suas origens cristãs. Até hoje é nítido que a fé deles está relacionada a seus posicionamentos políticos. Em muitas de suas letras, muitas vezes de forma ambígua, algumas vezes de forma clara, eles falam de sua fé em Cristo. Seus shows da última turnê terminaram com um crucifixo pendurado no microfone. Eles têm até uma canção que fala sobre a graça (Grace) magistralmente.

No entanto, embora goste muito do trabalho do U2, minha mente cartesiana e convencional não comporta a relativização da verdade, pelo menos ainda. É evidente que concordo com a idéia de coexistência, que é uma idéia de tolerância religiosa. A tolerância é fundamental nas sociedades e em nada contraria qualquer princípio ou idéia cristã. Muito pelo contrário, acredito que uma fé que prega o amor justamente vai ao encontro da idéia de tolerância, por mais que discordemos da posição dos outros. Entretanto, para eu tolerar o outro, eu não preciso necessariamente relaxar minhas convicções. Posso até fazer isso, mas a tolerância não decorre da relativização.

Como disse um ortodoxo americano em uma reunião sobre diálogo inter-religioso na Assembléia do Conselho Mundial de Igrejas em 2006, pregar a relativização como único caminho para a tolerância é um tiro no próprio pé para a unidade cristã. Sempre haverá setores religiosos que não relativizarão, causando divisões dentro dos próprios cristãos. Nem por isso esses setores devem deixar de tolerar aqueles professam outra religião. Muito pelo contrário, quando pregamos a tolerância entre religiões, devemos justamente fazer as pessoas entenderem que a tolerância é aprender a conviver com o diferente. Se todos relativizam, temos uma mesma massa. Nesse caso, a tolerância não é mais necessária.

O U2 não precisa dizer que tudo é verdade para que aprendemos a tolerar uns aos outros. Eles não vão conseguir fazer todos se tornarem relativistas. Eles talvez devessem é dizer que não importa no que acreditamos, tolerar é necessário. A vida é mais importante que os dogmas, mesmo que acreditemos firmemente neles.

*Agradecimentos ao P. Cláudio Kupka pelo convite para ver o U2 3D e por suas palestras sobre a relação entre U2 e fé cristã.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…