Pular para o conteúdo principal

Clube de História Econômica

Uma das melhores coisas que tem acontecido nesse semestre é que eu, Fabio Pesavento e Thales Pereira temos conseguido nos reunir semanalmente para discutir história econômica. Mais do que isso, temos alunos que também discutem o tema conosco. O Clube de História Econômica da ESPM-Sul tem sido bem-sucedido e tivemos até agora excelentes discussões.

Nos últimos três encontros, conseguimos discutir cada uma das três mais conhecidas vertentes de explicação das causas do crescimento de longo prazo: geografia, instituições e cultura. A fim de não exigir demais também dos alunos, que estão tendo seu primeiro contato com história econômica geral em sua maioria, pegamos um texto representativo de cada tópico. Para a geografia, escolhemos um capítulo do livro clássico de Jared Diamond (Armas, Germes e Aço); para as instituições, o texto escolhido foi o do trio Acemoglu, Johnson e Robinson ("Reversal of Fortune...", QJE, 2002); e, para cultura, discutimos o texto de Nathan Nunn ("Culture and the Historical Process", Economic History of Developing Regions, 2012). Enquanto os dois primeiros são textos clássicos, o último é um survey sobre a pesquisa recente sobre o papel da cultura.

Embora o grupo de professores fechem uns com os outros afirmando a importância do papel das instituições, temos algumas divergências sobre qual o peso de cada uma das vertentes. O Thales acha que o papel da cultura é praticamente nulo, eu acredito que a situação inicial (que inclui a cultura pravelente) pode levar a diferentes trajetórias dado um mesmo choque.  Mas o fato é que não sabemos os valores dos coeficientes se tentássemos traduzir isso em uma combinação linear a*geografia + b*instituições + c*cultura + erro.

A discussão tem sido produtiva e com contribuições muito interessantes dos alunos. O próximo assunto é Revolução Industrial, em que discutiremos os textos de North e Weingast (JEH, 1989); Joel Mokyr (2010) e Bob Allen (EHR, 2011). Certamente todos aprenderemos bastante com o clube nas próximas semanas.

Aliás, aqui vai a primeira parte do documentário Guns, Germs and Steel da NatGeo. Bom entretenimento!



Comentários

João Melo disse…
Thomas, estou lendo "Por que as nações fracassam" e creio que a solução realmente seja a questão das instituições.

João Melo
Arthur disse…
Eu acho engraçado essa distinção entre cultura e instituições.

Cultura é instituição.
Thomas H. Kang disse…
correto, Arthur. No caso, cultura seriam instituições informais. No caso, a literatura (que talvez acabe sendo pouco clara) faz essa distinção, chamando de instituições apenas as formais eventualmente. É só ver, por exemplo, AJR (2005) ou esse texto do Nunn.
Diego Maciel disse…
Thomas, aproveitando que o post é sobre história... procuro livros que falem sobre história econômica, focado nas teorias da microeconomia, você pode indicar algum? Conheces algum que sintetize os conceitos (utilidade, escolha, custos...) e fale dos economistas que desenvolveram tais conceitos?

Abraços,
Thomas H. Kang disse…
Olá, Diego. No caso seria história do pensamento econômico - que é relacionada à história econômica, mas é outro objeto de estudo.

De qualquer maneira... eu não sei de um manual específico que trate da Revolução marginalista em diante. Só te adianto que essas coisas devem estar primeiro em Bentham e seu utilitarismo clássico, passando por Stuart Mill, chegando aos marginalistas Jevons, Walras e Menger. Certamente Edgeworth e Marshall colaboraram bastante, assim como provavelmente Pareto. Mas é apenas uma opinião clichê de alguém que não estuda muito a história das ideias.

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…