Pular para o conteúdo principal

Notas sobre Vargas, Goulart e educação

Acabo de sair de uma palestra de Juremir Machado da Silva sobre a Campanha da Legalidade. A palestra era dirigida aos alunos da RI da ESPM, que gostaram bastante da apresentação - pelo menos foi a impressão que tive. Além de detalhar o contexto histórico, ele contou inúmeras anedotas dos episódios do período. Em suma, foi uma excelente palestra. Alguns pontos para reflexão:

  • Em termos gerais, concordei com o palestrante quanto ao governo Vargas, embora Juremir tenha uma opinião muito mais favorável a Vargas. Juremir destacou a questão educacional no governo Vargas, que criou o Ministério da Educação em 1930. De fato, é verdade isso, assim como é verdade que as décadas de 30 e 40 significaram mudanças na educação com as Reformas Campos e, posteriormente, com as Leis Orgânicas de Capanema. Todavia, em termos comparativos internacionais e mesmo latino-americanos, a melhoria educacional foi pífia. A ênfase no ensino técnico e o descaso com o ensino primário mostra que se tratava de uma política top-down bastante míope. Embora Capanema defendesse no discurso o ensino primário e este ser atribuição dos estados, sabe-se que a prioridade do ministro da Educação entre 1934-45 era a educação das elites (Ver o livro "Tempos de Capanema" de Schwartzman e associados; ou quem sabe, a minha dissertação de mestrado).
  • Juremir mencionou diversos casos anedóticos: alguns novos para mim, outros nem tanto. Eu já sabia que Jânio usava vassouras em sua campanha e que utilizava talco para simular que tinha caspa. Mas não sabia da conversa que Jânio tivera com Carlos Lacerda antes de sua renúncia, nem que Lacerda era conhecedor de vinhos.
  • Juremir respondeu-me por que motivo Goulart tinha contato com os sindicatos. Eu não sabia se o contato era anterior a seu cargo de Ministro do Trabalho no Segundo Governo Vargas - aparentemente, Vargas o preparou como líder e habilmente Goulart ganhou espaço junto aos trabalhadores com esse cargo. 
  • O palestrante concordou comigo que as reformas propostas por Goulart eram apenas reformas e talvez mais semelhantes à social democracia europeia do que a qualquer tipo de comunismo. Ainda ouço esse tipo de comentário: que se Goulart continuasse, teríamos nos tornado comunistas. Evidentemente, o contrafactual é complicado, uma vez que a pessoa sozinha não decide o rumo do país - tanto é que o resultado foi o golpe. No entanto, não era intenção de Jango a instauração de um comunismo, apesar da polarização que caracterizou o período da Guerra Fria. Em países latino-americanos, onde a Cortina de Ferro não era uma ameaça presente como era na Europa Ocidental, a construção de uma social-democracia não era necessária. Logo, qualquer reformismo poderia ser vinculado com comunismo. Mas certamente, essa minha opinião tem as influências do Pedro Fonseca e do Renato Colistete, meus ex-orientadores. Os dois até agora têm me convencido cada vez mais disso.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…