Pular para o conteúdo principal

"Acaso" não é uma resposta tão boa assim

Criticando a concepção materialista da medicina em 1949, o psiquiatra cristão suíço Paul Tournier escreve o seguinte acerca dos defensores de que o ser humano é simplesmente uma máquina:

"Segundo essa perspectiva, o homem assemelha-se a uma máquina ou, mais precisamente, a um conjunto de máquinas. Assim como um automóvel é um conjunto de diversas máquinas, cilindros, gerador, carburador, radiador, diferencial, etc., o homem seria um complexo conjunto de diferentes máquinas: dos sistemas digestivo, respiratório, nervoso, urinário, etc., solidários entre si, porém independentes. O ideal da ciência, para melhor compreender o funcionamento de cada uma dessas máquinas, é isolá-las do conjunto e estudá-las em si mesmas. Cada uma delas será reduzida então a fenômenos físico-químicos que não têm nada do que seja propriamente vivo e humano.

[...] Uma única diferença subsiste entre a máquina humana e a máquina industrial, com a qual é comparada, e que faz com que a primeira (vale o paradoxo) seja mais materialista do que a segunda: no caso do automóvel, o agrupamento das diferentes peças foi concebido por um engenheiro, tendo em vista o rendimento do conjunto; no homem, ao contrário, segundo a explicação científica clássica, a colocação dos diversos órgãos no organismo humano, bem como suas diversas funções físico-químicas, devem-se ao acaso." (p. 44)



Como nada sei de medicina, não sei até que ponto continua valendo essa concepção médica. Mas o exemplo de Tournier mostra que creditar o a existência do ser humano ao acaso talvez não seja tão óbvio assim.


Tournier, Paul. Mitos e Neuroses: desarmonia da vida moderna. São Paulo: ABU Editora e Viçosa: Ultimato, 2002.

Comentários

HenriqueUSP disse…
Bem, estou certo que eu não sou a pessoa mais indicada (nem a mais preparada) para comentar um post como esse, mas vamos lá. Acredito que a discussão não está bem colocada, uma concepção materialista (ou mecanicista) e a idéia de um suposto "acaso" por trás da origem do ser humano são coisas distintas (não é necessário ser mecanicista para defender esta tese). Mas, aproveitando o gancho, não parece muito claro para mim o que significa a tal tese do "acaso". As teorias evolucionistas em nada defendem que o ser humano seja puro e simples efeito do acaso. Apesar de ser afetada pelas mutações aleatórias sofridas, a adaptação ao ambiente é condição fundamental para a ocorrência da seleção natural. Do ponto de vista darwiniano, não se trata de puro acaso (ou mera loteria genética), mas de um processo de seleção e adaptação às condições ambientais vigentes. Fora discussões mais técnicas do mecanismo evolutivo (que iriam além do meu conhecimento), a questão que se coloca, na minha opinião, é: a ciência hoje possui tal status em nossa sociedade que as crenças religiosas precisam de respaldo científico ? Thomas, o que acha do seguinte texto: http://www1.folha.uol.com.br/folha/pensata/helioschwartsman/ult510u368285.shtml ?
Thomas H. Kang disse…
Henrique,

Acho que concordo contigo que são questões distintas. Creio que o autor na realidade apenas estava reproduzindo idéias bastante em voga na sua época: materialismo e acaso combinados.

Não estamos aqui falando especificamente da teoria evolucionista, como tu sabe bem. Tournier é psiquiatra, o negócio dele não é biologia evolucionária. Lembro-me vagamente de que biólogos evolucionários como Dawkins ressaltam o papel do acaso, embora não se trate de uma loteria genética completa. E sabemos que Dawkins é ateu e dos mais panfletários.

Tinha lido já o texto do Schwatzman. Mais tarde comento.
Guilherme Stein disse…
Dizer que o homem é apenas a soma dos diversos sistemas que o compõe é ou ingenuidade ou desonestidade intelectual.

Hoje em dia criou-se a perigosa noção de que a metafísica materialista é corroborada pelas descobertas científicas.

Embora a teoria da evolução consiga explicar boa parte do desenvolvimento das espécies, inclusive a evolução por qual nós passamos, existem três perguntas que ainda não tem respostas:

1) Qual a origem da vida?

2) De onde vem a nossa consciência?

3) De onde vem o livre-arbitrio e a moral que dele é necesseria?

Segundo a metafísica materialista, a consciência e o livre-arbritrio devem, necessariamente, ter uma explicação material. A liberdade, para os ateus, é uma ilusão.

ENTRETANTO, até hoje não existe nenhuma evidência ou teoria que explica a consciência e o livre-arbítrio como tendo causas materiais. Portanto, a idéia de que que existem causas materiais se baseia apenas na FÉ na metafísica materialista.

O grande paradoxo materialista é intuir, por causas indiretas, a negação de si mesmo, o próprio sujeito que intuiu em primeiro lugar. Ou seja, segundo Schopenauer, o materialista "sempre se esquece de si mesmo".

Postagens mais visitadas deste blog

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero.
O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente.
O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Lutero t…

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas.

Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre).

Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55), lis…

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto.

O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem.

A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário?

Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim melhora…