Páginas

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Economia e desigualdade na Science

Eu não sabia que a revista Science publicava sobre economia, mas Daron Acemoglu e James Robinson conseguiram. E mais do que isso, ainda falaram bastante sobre a passagem do nomadismo para o sedentarismo no Neolítico, defendendo a idéia de que o sedentarismo precedeu a agricultura. Não sei muito dessa área, mas vale a pena dar uma lida no pequeno artigo da Science, de uma página, de outubro de 2009.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Resumo da dissertação

Ainda sujeito a alterações, aí vai o resumo preliminar da minha dissertação. Opinem se quiserem, façam correções, etc.:

RESUMO
Este trabalho investiga possíveis explicações para o atraso na expansão da educação primária no Brasil, apesar das notáveis taxas de crescimento via industrialização por substituição de importações entre os anos de 1930 e 1964. O trabalho trata especificamente do papel da distribuição de poder político e de descentralização na expansão da taxa de matrículas na educação primária. Os dados demonstram que durante o Estado Novo, período ditatorial sob o comando de Vargas, houve queda na taxa de matrícula do primário. A volta da democracia em 1946 foi benéfica para o ensino primário. Entretanto, ao contrário do que teria ocorrido em muitos países, as evidências parecem apontar que o caso brasileiro se assemelhou mais ao indiano, em um contexto de democracia elitista, em que a expansão do sufrágio exerceu pouco efeito na expansão da educação, com conseqüências importantes para o crescimento econômico de longo prazo. Além da falta de voz política da população ter ensejado poucas melhoras na educação primária brasileira, a falta de fontes de financiamento adequadas para estados e municípios foi também um obstáculo para o desenvolvimento do ensino básico. Evidências qualitativas mostram que os governos federais também estavam mais preocupados com o ensino superior, em detrimento do ensino primário. As evidências quantitativas mostram que o nível de competição eleitoral e a descentralização administrativa tiveram efeito positivo nas matrículas em alguns estados, mas a expansão do sufrágio parece ter tido pouca influência nas matrículas. A falta de atenção dada a esse nível de ensino, por conta da falta de voz política da população, teve provavelmente efeitos negativos sobre a estrutura da distribuição de renda do país ao longo do século XX.


ABSTRACT

This dissertation aims to examine possible explanations for the backwardness in the expansion of primary education in Brazil between 1930 and 1964, despite the fact that Brazil presented high rates of economic growth through promoting import-substitution industrialization. In particular, the roles of distribution of political power and decentralization in the expansion of primary enrollment rates are addressed. The data shows that during the Estado Novo, a dictatorial regime under Vargas’ rule, there was decrease in primary enrollment rates. The return to democracy in 1945/46 was beneficial to primary schooling. However, contrary to what happened in developed countries, our evidence indicates that Brazil’s experience is more similar to what happened in India. Education in both countries developed in the context of a highly elitist democracy, in which the expansion of suffrage had little effect on the expansion of education, with a negative impact on long-term economic growth. Besides the lack of political voice, the lack of adequate financial sources for states and municipalities was also an obstacle to the development of basic education. Qualitative evidence shows that federal governments were more concerned with tertiary schooling, in detriment to primary schooling. Quantitative evidence, by its turn, shows that the level of electoral competition and administrative decentralization had positive effects on enrollment states in some states, but suffrage expansion seems to have had little influence on primary schooling expansion. The lack of attention given to this schooling level, due to the lack of political voice of the population, probably had negative effects on the structure of income distribution in Brazil along the 20th century.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Globalização em perspectiva histórica

Ok, ok... agora sim, achei mais um livro bom no NBER de história econômica pra ser baixado de graça. E melhor, não é escaneado. São os pdfs eletrônicos mesmo. Globalization in Historical Perspective, editado por Alan Taylor, Michael Bordo e Jeff Williamson tem contribuições de pesquisadores como Peter Lindert, Kevin O'Rourke, Brad deLong, Greg Clark, Nick Crafts, Barry Eichengreen, entre outros além dos editores. Se você não é da área, só gostaria de informar que esses são os tops na área de história econômica.

Divirtam-se.

sábado, 2 de janeiro de 2010

Livros gratuitos de história econômica

Eu não sabia, mas descobri recentemente, enquanto procurava o livro de Bob Margo "Race and Schooling in the South, 1880-1950", que a NBER tem alguns livros que podem ser gratuitamente baixados. Eles fazem parte da "NBER Book Series Long-Term Factors in Economic Development".
Tem uns ótimos livros, como esse que citei do Margo, mas também outros como o de Eichengreen sobre a Grande Depressão ou o trabalho sobre patentes de B. Zorina Khan. Tem também o livro de Cláudia Goldin sobre diferenças de gênero. Vale a pena olhar e baixar.
Atualizando: Agora que eu percebi que apenas alguns livros estão disponíveis gratuitamente. Margo é um deles.