Pular para o conteúdo principal

McCloskey e a significância estatística

A professora Deirdre McCloskey, da University of Illinois at Chicago, famosa por seus artigos sobre metodologia (retórica) e por ter passado por uma cirurgia de mudança de sexo, ministrou uma palestra hoje na Sala da Congregação da FEA-USP. O recinto estava bem cheio e McCloskey fez suas polêmicas declarações.

O tema era o seu novo livro, a ser lançado em janeiro, chamado "The Myth of the Statistical Significance". Bastante polêmico. Para ela, não há motivos para a economia usar a significância estatística. Sua idéia gerou enorme polêmica durante e após a palestra. Em suma, ela acha que o critério de decisão usados em testes de hipóteses (como t ou F) não devem ser automáticos e objetivos. Para ela, são critérios de valor que devem pesar e que os progressos da ciência ocorridos através desses testes foram sorte. O que importa é o ângulo, o coeficiente, e não testar a existência desse coeficiente da forma como é feito hoje. Evidentemente, ela argumenta melhor e o livro deve ser mais profundo a respeito disso. Para mim, a proposição dela é muito estranha.

Algumas declarações dela na palestra foram no mínimo exóticas, como por exemplo "when I was a man..." e, simulando alguém comentando sobre ela, "that stupid, transsexual, crazy person". Além disso, arrancou várias risadas do público ao longo da palestra. Foi divertido, embora bizarro e polêmico.

Comentários

Anônimo disse…
Thomas,

Não sei se você conhece, mas existe uma história engraçada sobre a prof. McCloskey. Um dia ele chegou (ainda era ele) na sala do chefe do departamento de economia e disse:
- Tenho algo importante para revelar hoje.
- O que é ? Perguntou o chefe.
- Vou fazer uma operação de mudança de sexo.
- Que susto! Por um momento achei que você iria virar marxista.
Thomas H. Kang disse…
Heahahae,

O pior é que eu já tinha ouvido falar dessa. Mas é bom que haja o registro escrito aí, hehe.

Valeu!
Anônimo disse…
Kang,

Comente que depois de tirar dúvidas com a profa Mccloskey, ela se despediu de você com um beijo no rosto! Por quê esqueceu de relatar isso, meu velho amigo?
Sds,
Genta
Thomas H. Kang disse…
Genta,

Daí eu teria que te dizer que tu levou ela para o hotel e nem apareceu mais na FEA.

Sds,
Kang
Eu tirei foto com ela aqui na ANPEC - Recife.

Depois eu mando pra vocês.

Postagens mais visitadas deste blog

Endogeneidade

O treinamento dos economistas em métodos quantitativos aplicados é ainda pouco desenvolvido na maioria dos cursos de economia que existem por aí. É verdade que isto tem melhorado, até porque não é mais possível acompanhar a literatura internacional sem ter conhecimento razoável de técnicas econométricas. Talvez alguns leitores deste blog ouçam falar muito em endogeneidade ou variáveis endógenas, principalmente no que se refere a modelos econométricos. Se pensamos em modelos de crescimento endógeno, o "endógeno" significa que a variável que causa o crescimento é determinada dentro do contexto do modelo. Mas em econometria, embora não seja muito diferente do que eu disse na frase anterior, endogeneidade se refere a "qualquer situação onde uma variável expicativa é correlacionada com o erro" (Wooldridge, 2011, p. 54, tradução livre). Baseando-me em um único trecho do livro do Wooldridge (Econometric Analysis of Cross-Section and Panel Data, 2 ed, 2011, p. 54-55)

Lutero e os camponeses

São raros os momentos que discorro sobre teologia neste blog. Mas eventualmente acontece, até porque preciso fazer jus ao subtítulo dele. É comum, na minha condição declarada de cristão luterano, que eu sempre seja questionado sobre as diferenças da teologia luterana em relação às outras confissões. Outra coisa sempre mencionada é o episódio histórico do massacre dos camponeses no século XVI, sancionado por escritos de Lutero. O segundo assunto merece alguma menção. Para quem não sabe (e eu nem devo esconder isso), Lutero escreveu que os camponeses, que na época estavam fazendo uma revolta bastante conturbada, deveriam ser impedidos de praticarem tais atos contrários à ordem - inclusive por meio de violência. Lutero não mediu palavras ao dizer isso, o que deu a justificativa para a violenta supressão da revolta que ocorreu subsequentemente. O objetivo deste post não é inocentar Lutero do sangue derramado sobre o qual ele, de fato, teve grande responsabilidade. Nem vou negar que Luter

A busca pelo ótimo de Pareto

Depois de um jogo entre São Paulo e Palmeiras, nada melhor do que uma conversa sobre Economia. Com uma caminhada de 45 minutos pela frente, eu e meu colega Richard, um especialista em Escola Austríaca e torcedor do porco, discutimos inúmeros assuntos, inclusive o famoso ótimo de Pareto. O ótimo de Pareto (Vilfredo Pareto foi economista e sociólogo italiano da Escola de Lausanne) é um conceito fundamental na ciência econômica. Em muitas análises, busca-se chegar nesse ótimo, o que acontece quando melhorias de Pareto não são mais possíveis. Uma melhoria de Pareto é a melhora na situação de um sem piorar a dos outros. Quando se exaurem todas as melhorias paretianas, estamos no ótimo: só é possível melhorar a situação de alguém piorando a de outrem. A pergunta é: embora o ótimo de Pareto esteja em muitas análises na Economia do Bem-Estar, não é esse ótimo um juízo de valor arbitrário? Evidentemente, a resposta é sim. No entanto, sabemos que poucas pessoas achariam (em princípio) ruim me